CDS pede demissão dos ministros da Defesa e Administração Interna a Costa

Assunção Cristas disse esta segunda-feira que "as demissões são inevitáveis". A líder centrista pede que o primeiro-ministro demita Constança Urbano de Sousa e Azeredo Lopes.

Após a audição com o Presidente da República, Assunção Cristas afirmou que “o Estado falhou e tarda a assumir que falhou” nos casos do incêndio de Pedrógão Grande e do roubo de material militar nos Paióis Nacionais de Tancos. Na sede do CDS-PP, em conferência de imprensa, em declarações transmitidas pela RTP3, a líder do CDS considerou que “estes ministros não souberam estar à altura das suas responsabilidades” e que “as falhas têm de ter consequências”. Por isso, Cristas conclui que “as demissões são inevitáveis”. “Senhor primeiro-ministro, volte e demita-os”, pediu, dizendo que “a descoordenação não se pode repetir”.

Esta foi a posição que os centristas transmitiram a Marcelo Rebelo de Sousa na audição que decorreu esta segunda-feira. “Nestes dois casos puseram-se em causa os mais elementares direitos de um Estado soberano, os que têm a ver com a segurança das pessoas”, afirmou Assunção Cristas, na sede do CDS, referindo que “quebrou-se” a confiança dos cidadãos no Estado.

Relativamente ao caso de Tancos, a líder do CDS assinalou que o ministro da Defesa assumiu responsabilidade política, “mas não o vimos a retirar qualquer consequência disso“. “Sinalizámos a ausência de qualquer palavra do primeiro-ministro numa matéria tão grave quer interna quer externamente”, disse ainda. O CDS diz ter sentido vergonha em ver um jornal espanhol publicar a lista de material militar roubado em Tancos.

“Estes ministros não souberam estar à altura das suas responsabilidades, as demissões são inevitáveis e temos de o dizer sem hesitações e sem rodeios: senhor primeiro-ministro, volte e demita-os”, exigiu Assunção Cristas. “Há uma crise de autoridade, há uma crise de comando“, alertou, referindo que essas questões só serão resolvidas com a demissão dos ministros. “Não é possível restaurar a quebra de confiança que neste momento existe no Estado nos domínios da Defesa e da Segurança”, disse Cristas, sem as demissões de Constança Urbano de Sousa e Azeredo Lopes.

(Atualização às 16h37)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CDS pede demissão dos ministros da Defesa e Administração Interna a Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião