Primeiro-ministro no gozo de uma semana de férias mas “sempre disponível”

  • Lusa
  • 3 Julho 2017

O primeiro-ministro "está sempre contactável e disponível em caso de necessidade", garante uma nota enviado pelo gabinete do chefe do Governo.

O primeiro-ministro encontra-se no gozo de uma semana de férias, sendo substituído pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, mas “está sempre disponível” em caso de necessidade, refere uma nota difundida esta segunda-feira pelo gabinete do líder do executivo.

“O gabinete do primeiro-ministro esclarece que o Governo, tendo em consideração o período de verão, organizou e planificou em tempo o período de férias do primeiro-ministro [António Costa], bem como dos restantes membros do Governo, de forma a garantir as necessárias substituições para assegurar o normal funcionamento do Governo“, lê-se na citada nota, numa alusão a referências críticas sobre o facto de António Costa se encontrar atualmente no gozo de férias.

No mesmo comunicado, o gabinete do líder do executivo adianta que, nesse quadro de distribuição e organização de férias entre os membros do Governo, “o primeiro-ministro encontra-se no gozo de uma semana de férias, sendo substituído na sua ausência, nos termos do artigo 7.º da Lei Orgânica do XXI Governo, pelo ministro dos Negócios Estrangeiros [Augusto Santos Silva]”.

“O primeiro-ministro está sempre contactável e disponível em caso de necessidade”, frisa-se ainda na nota divulgada pelo gabinete de António Costa. O jornal i noticiou na sua edição desta segunda-feira que o primeiro-ministro “tinha férias marcadas para a primeira quinzena de julho e não as desmarcou, apesar da crise dos incêndios de Pedrógão Grande e do roubo do armamento dos paióis de Tancos“.

No plano político, esta segunda-feira, em conferência de imprensa, a presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, após ter sido recebida em Belém pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, fez uma alusão crítica indireta ao facto de o primeiro-ministro se encontrar no gozo de férias. Depois de pedir a demissão dos ministros da Defesa, Azeredo Lopes, e da Administração Interna, Constança Urbana de Sousa, Assunção Cristas declarou: “Senhor primeiro-ministro, volte e demita-os”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Primeiro-ministro no gozo de uma semana de férias mas “sempre disponível”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião