Empresa paquistanesa investe dois milhões em Proença-a-Nova

  • ECO e Lusa
  • 4 Julho 2017

A Grainz , uma empresa paquistanesa de produtos alimentares, instalou-se em Proença-a-Nova num investimento de dois milhões de euros que vai criar já 20 postos de trabalho.

Uma empresa paquistanesa de produtos alimentares instalou-se em Proença-a-Nova, no distrito de Castelo Branco, num investimento de dois milhões de euros que vai criar já 20 postos de trabalho, foi anunciado esta terça-feira.

A Grainz está instalada num pavilhão com 2.400 metros quadrados, no Parque Empresarial de Proença-a-Nova (PEPA), sendo que o município local investiu 120 mil euros na recuperação da infraestrutura que foi cedida à empresa paquistanesa de produtos alimentares.

“Estamos a dar o pontapé de saída deste investimento em que cereais como arroz, lentilhas ou grão chegam em bruto e são descascados, selecionados, calibrados, embalados, armazenados e depois exportados, uma vez que a empresa faz parte de um grupo com mercados já estabelecidos. Proença-a-Nova é um polo intermédio entre o Paquistão e o mercado global”, refere em comunicado o presidente da Câmara Municipal, João Lobo.

A empresa irá ser responsável pela criação de cerca de duas dezenas de postos de trabalho numa primeira fase, estando previsto duplicar os trabalhadores dentro de três anos. O autarca explica que o facto de se disponibilizar um pavilhão já edificado foi fundamental para atrair a empresa.

“Conseguimos, através da Agência para o Investimento e o Comércio Externo de Portugal (AICEP), mostrar a diferenciação do nosso parque empresarial em que, além daquilo que é o lote de terreno com condições muito vantajosas, ofertamos também espaço edificado, reduzindo os custos de contexto para quem investe”, frisou.

"Conseguimos, através da Aicep, mostrar a diferenciação do nosso parque empresarial em que, além daquilo que é o lote de terreno com condições muito vantajosas, ofertamos também espaço edificado, reduzindo os custos de contexto para quem investe.”

João Lobo

Presidente da Câmara Municipal de Proença-a-Nova

João Lobo sublinha ainda que, para o município, a primeira vantagem em apoiar a fixação de empresas diz respeito à fixação de pessoas, que permite ir contrariando a desertificação em territórios do Interior como Proença-a-Nova.

Em termos de investimento, há 32 projetos considerados de Potencial Interesse Nacional (PIN) em fase de acompanhamento que deverão criar mais de 23 mil postos de trabalho e exigir 5,7 milhões de euros em investimento, segundo os do Ministério dos Negócios Estrangeiros, avançados pelo Dinheiro Vivo. Estes projetos, que estão a ser avaliados pela Comissão Permanente de Apoio ao Investidor, estão em diferentes fases de desenvolvimento.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresa paquistanesa investe dois milhões em Proença-a-Nova

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião