Juros dos empréstimos às empresas atingem mínimo histórico

A tendência de descida dos juros não impede que a nova concessão de empréstimos às empresas esteja em torno de mínimos históricos.

Os juros do crédito às empresas atingiram um mínimo histórico. De acordo com dados do Banco Central Europeu (BCE), a taxa de juro média na nova concessão de empréstimos às empresas fixou-se nos 2,69%, em maio. Esta é a taxa de juro mais baixa do histórico da entidade liderada por Mario Draghi, que remonta ao início do ano 2000. Apesar dessa quebra, o diferencial dos juros face à média da Zona Euro mantém-se acima de um ponto percentual.

A taxa fixada em maio compara com os juros de 2,97% registados em abril, dando assim seguimento a uma tendência de diminuição que se verifica desde 2012. Esta quebra surge no seguimento da descida dos indexantes usados no crédito e, mais recentemente, da diminuição dos spreads aplicados neste tipo de financiamento. Fatores que surgem no seguimento da política monetária do BCE, cujo objetivo é puxar pelo investimento e pelas economias europeias através da libertação de liquidez no mercado por parte dos bancos. Objetivos que não parecem estar a ter o impacto desejado no que respeita às empresas.

Juros do crédito às empresas

Apesar do nível historicamente baixo dos juros no financiamento ao setor empresarial, a nova concessão de crédito às empresas mantém uma tendência de quebra. Os últimos dados disponibilizados pelo Banco de Portugal, relativos a abril, indicam que nesse mês os bancos nacionais disponibilizaram um total de 1.912 milhões de euros em crédito às empresas. Este valor está ligeiramente acima face aos 1.831 milhões que tinham sido concedidos em fevereiro, e que representa a fasquia mais baixa de um intervalo de mais de 14 anos.

A diminuição dos juros do financiamento, em maio, foi transversal a todas as empresas, independentemente da sua dimensão. No caso das pequenas e médias empresas (financiamento até um milhão de euros), a taxa de juro média dos créditos concedidos em maio foi de 3,11%, o valor mais baixo do histórico do BCE, e que compara com os 3,21% que se registavam em abril.

No caso das empresas de maior dimensão (financiamento acima de um milhão de euros) a taxa de juro média fixada em maio também caiu, para próximo do mínimo histórico de 2,04% fixado em abril, nos 2,07%.

A diminuição dos juros no financiamento às empresas permitiu diminuir também o spread face às taxas aplicadas, em média, pelos países do espaço do euro. Contudo, este mantém-se ainda acima da fasquia dos 100 pontos base. Fixou-se em 110 pontos, no nível do final de 2015.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juros dos empréstimos às empresas atingem mínimo histórico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião