Nos Alive: 3 dias, 110 artistas, 165 mil a vibrar

  • Ana Batalha Oliveira
  • 6 Julho 2017

O Nos Alive começa esta quinta-feira com lotação esgotada. Saiba quanto os fãs pagaram para entrar, o que há para ver e os (poucos) truques para evitar a multidão.

Nos Alive foi o primeiro festival português a esgotar: este ano, três meses antes de abrir as portas. 55 mil fãs rumam a Algés em cada um dos três dias para ver os 110 artistas que pisam o palco. Há muita música — mais de 12 horas por dia — mas também comédia. O desafio foi chegar lá.

Espera-se uma grande azáfama à volta do passeio marítimo de Algés entre os dias 6 e 8 de julho, as datas do festival Nos Alive. A organização aconselha as pessoas a utilizarem transportes coletivos e a deixarem as mochilas em casa, de forma a facilitar as vistorias da segurança. Por exemplo, há autocarros grátis até ao recinto, de meia em meia hora, a partir do centro comercial Alegro onde é possível trocar o bilhete e a pulseira mas, também deixar o carro. Já lá dentro, é importante traçar um rumo para se mover entre a multidão e as várias sobreposições de concertos.

Bandas em contagem decrescente: mesmo a chegar mas cada vez menos

O festival abre esta quinta-feira às três da tarde, e a música vai ouvir-se desde a entrada, com os The Djabalis a inaugurarem o Pórtico Nos Alive Entrance e o próprio festival. Neste primeiro dia, os cabeças de cartaz são os britânicos The XX e o americano The Weeknd. A fechar estão os Glass Animals, já a chegar às três da madrugada. Nas doze horas que separam a primeira e a última atuação, são trinta e três os artistas de música e cinco comediantes.

Nos dias seguintes mantêm-se sensivelmente os horários mas o número de artistas vai reduzindo. A 7 de julho, de 38 artistas passam a 37 e no último, são 35. O prejuízo é na parte musical. Ainda assim, as sobreposições entre os sete palcos são constantes. Um dos conselhos aos festivaleiros é levarem um horário e assinalarem as bandas que não querem mesmo perder. O palco principal, o Nos Stage, tem ainda como destaque as bandas Foo Fighters e The Kills, no dia 7, e os Depeche Mode e Imagine Dragons no dia 8. Entre os seis palcos secundários, existe dedicado à música mais tradicional, O EDP Fado Cafe, e outro de comédia.

165.000 bilhetes: para todos os gostos e várias carteiras

Já em 2016 os fãs esgotaram as bilheteiras do Nos Alive, mas só no primeiro dia do festival. Este ano, faltavam três meses quando a fasquia dos 165.000 bilhetes foi atingida e garantiu a lotação total. Os bilhetes começam nos 59 euros, para garantir a entrada diária. Já o passe de três dias custou 129 euros. Este ano, houve ainda uma parceria com o festival espanhol Mad Cool que, por 120 euros, concedia entradas em ambos os festivais para que os grandes fãs de Foo Fighters pudessem ver a banda duas vezes.

Exatamente para os que vêm de longe, o festival fez parcerias com a CP e com companhias de autocarros. Mas não se ficou por aqui. À venda estiveram também os Packs de Viagem Aigle Azur, uma parceria com a companhia aérea francesa que oferecia duas viagens ida e volta, dois passes de três dias e hotel a partir de 1.158,50€. Para ficar os três dias por Lisboa, o Nos Alive vendeu ainda passes de três dias com direito a três noites em hotéis de três e cinco estrelas: o mais barato, 498 euros, o mais caro, 750 euros.

Festivais: o fenómeno da música que reina em Portugal

Entre os portugueses que costumam ir a espetáculos de música pelo menos uma vez por ano, 66% escolhe os festivais como evento de eleição, diz o Instituto Português de Administração de Marketing (IPAM). Gastam, geralmente, um máximo de 150 euros e a maioria adquire os bilhetes pela internet. A melhor montra para os festivais é mesmo online, já que 85% da população os conhece nas redes sociais. Em termos de duração, o Nos Alive alinha-se na perfeição com as preferências dos portugueses: mais de metade diz que três dias é o ideal.

 

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nos Alive: 3 dias, 110 artistas, 165 mil a vibrar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião