CDS quer informação mensal sobre cativos

  • Margarida Peixoto e Marta Santos Silva
  • 7 Julho 2017

O deputado João Almeida desafiou a esquerda a mostrar que defende a transparência, propondo a publicação mensal da evolução dos cativos.

O CDS-PP quer que o Governo passe a dar informação sobre a evolução dos cativos todos os meses. A proposta foi apresentada esta sexta-feira, na Assembleia da República, durante o debate sobre a transparência na gestão da despesa orçamental e a aplicação de cativos.

Centeno não pode “ser só o ministro das boas notícias, porque o ministro das boas notícias não está à altura” do que é pedido ao ministro das Finanças, criticou o deputado e porta-voz do CDS-PP, João Almeida. “Vamos ver nesta assembleia quem está a favor da transparência”, desafiou, anunciando que vai propor que comece a haver relatórios mensais das cativações, em vez de só se saberem quais as cativações efetuadas num ano, em junho do ano seguinte.

"Não nos escondemos atrás de cativações, não nos escondemos atrás de secretaria.”

João Almeida

Deputado do CDS-PP

No corpo da proposta, distribuído de seguida aos jornalistas, o CDS explica que quer que as sínteses de execução orçamental publicadas todos os meses pela Direção-geral do Orçamento passem a incluir “informação suficientemente pormenorizada relativamente à evolução dos montantes cativos.” A ideia é passar a disponibilizar os montantes cativos discriminados por ministério, por programa orçamental e por serviços e organismos.

Durante o debate, João Almeida recuperou informação sobre as cativações aplicadas em anteriores, defendendo que 2016 só tem paralelo “no ano da graça de 2010, quando governava José Sócrates.” E associou o recurso a esta medida com falta de transparência, por oposição ao recurso a Orçamentos Retificativos, muito utilizados pelo anterior Governo PSD/CDS-PP: “Não nos escondemos atrás de cativações, não nos escondemos atrás de secretaria.”

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CDS quer informação mensal sobre cativos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião