Costa: “Nunca mais nenhum de nós poderá esquecer aquele dia”

  • Margarida Peixoto
  • 12 Julho 2017

O primeiro-ministro começou o debate pelo tema de Pedrógão, mas passou em revista todos os bons indicadores económicos e anunciou uma nova secretaria de Estado para a Habitação.

“Nunca mais nenhum de nós poderá esquecer aquele dia,” disse António Costa, primeiro-ministro, no arranque do debate sobre o Estado da Nação. No discurso de abertura, o chefe do Governo deu prioridade ao tema de Pedrógão, mas fez questão de falar sobre as conquistas obtidas na área económica, anunciou uma secretaria de Estado para a Habitação e traçou um esboço da estratégia que propõe para o futuro.

O incêndio de Pedrógão Grande evidenciou como, “perante o primado da vida humana, tudo o mais tem um valor relativo,” sublinhou o primeiro-ministro, depois de notar que a tragédia que matou 64 pessoas e fez mais de 200 feridos aconteceu precisamente no dia seguinte à saída de Portugal do Procedimento por Défice Excessivo — aquele que tinha sido definido como um dos objetivos fundamentais do Governo.

Por isso, Costa deu prioridade ao tema do incêndio de Pedrógão Grande. Anunciou que as primeiras três habitações já estão a ser reconstruídas e que a Unidade de Missão para a Valorização do Interior será deslocalizada para Pedrógão Grande. De seguida, garantiu que o Governo vai dar “toda a colaboração e apoio tanto ao inquérito crime aberto pelo Ministério Público como à Comissão Técnica Independente” criada pela Assembleia da República.

Mas, frisou Costa, “se há respostas que ainda não temos há soluções que sabemos que há muito o país espera.” E pediu um “esforço conjunto para consensualizar” a reforma estrutural das florestas para o futuro do país.

O caminho já feito e o que está por vir

Num segundo momento do discurso, Costa fez questão de passar por todos os bons indicadores económicos, procurando assim mostrar os resultados já obtidos pela atual governação. Falou dos “mais de 175 mil novos postos de trabalho criados desde o início de 2016,” da confiança dos agentes económicos, que está em máximos, do crescimento do investimento, do aumento do PIB, que cresce acima do ritmo da zona euro, da saída do Procedimento por Défice Excessivo. E rematou: “sim, havia mesmo alternativa.”

E ao prometer detalhes sobre as políticas setoriais em curso — Saúde, Educação — para a fase de debate, anunciou a criação de uma secretaria de Estado da Habitação. Esta será a primeira consequência da remodelação governamental provocada pela saída de três secretários de Estado por causa do Galpgate, e da aceitação do pedido de saída por parte de outros secretários de Estado.

Por fim, Costa apontou para o que virá “para lá da atual legislatura” e defendeu que é preciso preparar o que aí vem desde já. Garantiu que está a trabalhar numa matriz que assenta em dois eixos fundamentais — inovação e conhecimento, e qualificação, formação e emprego — cujos objetivos são a competitividade, coesão e convergência.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa: “Nunca mais nenhum de nós poderá esquecer aquele dia”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião