Têxtil portuguesa quer anular venda de cadeia de retalho Jaeger

César Araújo, da Calvelex, lidera um grupo de credores que quer anular a venda da cadeia britânica Jaeger. Credores contestam insolvência e Araújo tornou-se mesmo acionista do ex-dono da Jaeger.

O grupo têxtil Calvelex, liderado por César Araújo quer anular a venda do retalhista londrino Jaeger a uma empresa com sede no Dubai. A venda terá ocorrido dez dias antes de a empresa entrar em insolvência. Para isso o empresário português forçou o administrador de insolvência, Alex Partners, a criar um comité de credores.

Em declarações ao ECO, César Araújo explica que: “A Better Capital, detentora da Jaeger, vendeu a empresa por partes, ou seja, a marca para um lado e a dívida sénior para outro e só depois entrou em insolvência“.

Agora o grupo de credores liderado por César Araújo pretende “investigar os diretores e os acionistas para ver se foram cometidas irregularidades e caso estas se verifiquem, queremos a anulação do negócio e queremos que nos paguem“.

A reunião entre credores e o administrador de insolvência teve lugar em Londres, no passado dia 30 de junho. Nesse encontro foi criado um comité consultivo informal constituído por fornecedores da Jaeger, a quem a empresa deve milhões de euros.

César Araújo não adianta qual é o montante da dívida, mas adianta: “No âmbito deste processo tornei-me acionista da Better Capital que vai ter que me explicar porque é que fez o negócio. E ainda porque é que o fundo Becap 12, que pertence à Better Capital, deixou de dar apoio financeiro à Jaeger”.

Sem data marcada, o empresário português espera que uma próxima reunião possa acontecer durante o verão para avaliar os primeiros resultados da investigação.

Tal como o ECO tinha noticiado em abril, César Araújo estava interessado na compra da cadeia londrina que tinha entrado em colapso. Na altura, Araújo admitia que a compra da Jaeger era uma boa oportunidade de negócio. “O que sei é que é uma boa oportunidade de negócio para o meu grupo e para Portugal”, frisou.

César Araújo tinha, de resto, já contactado com uma nova equipa de gestão para liderar a empresa que seria liderada por Harold Tillman, que terá sido dono da empresa entre 2003 e 2012. Em 2012, a Better Capital adquiriu a Jaeger por 22 milhões de euros.

Em abril, a imprensa britânica referia que a Better Capital teria registado perdas com a retalhista superiores a 73 milhões de euros. E já nessa altura era avançado que o acionista teria vendido a dívida a um comprador mistério por oito milhões de euros.

O grupo Jaeger, com mais de 158 anos, era detentor de lojas de roupa de senhora e de homem e empregava mais de 900 pessoas. A marca era promovida pela realeza britânica e pelo ator Pierce Brosnan.

o grupo têxtil Calvelex, de cariz familiar, tem mais de 30 anos e dedica-se à confeção de vestuário e era fornecedor da cadeia inglesa há mais de 20 anos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Têxtil portuguesa quer anular venda de cadeia de retalho Jaeger

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião