Fernando Medina: candidatura pela Agência do Medicamento “não foi bem conduzida”

  • ECO
  • 13 Julho 2017

O presidente da câmara de Lisboa, que perdeu a candidatura à Agência Europeia do Medicamento (EMA) para o Porto, diz que o processo não foi bem conduzido na fase inicial.

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, considera que o processo da candidatura portuguesa à Agência Europeia do Medicamento (EMA) “não foi particularmente bem conduzido pelo Governo.” Ainda assim, o também candidato por Lisboa nas próximas autárquicas garante que vai apoiar a candidatura do Porto.

“O processo não foi particularmente bem conduzido pelo Governo, na fase inicial,” disse Fernando Medina, em entrevista à TSF e Diário de Notícias, esta quinta-feira. Lisboa chegou a ser escolhida pelo Governo para a candidatura à EMA, mas o processo foi reaberto, na sequência de várias críticas, nomeadamente por parte do presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira. Esta quinta-feira, em Conselho de Ministros, o Executivo mudou a decisão e escolheu o Porto.

O processo não foi particularmente bem conduzido pelo Governo, na fase inicial.

Fernando Medina

Presidente da Câmara de Lisboa

“Espero que seja uma decisão para ganharmos,” acrescentou Fernando Medina. “Lisboa tem naturalmente condições boas para acolher a agência, aliás já cá temos duas, o Porto demonstrou também ter,” somou, notando que a decisão do Governo é “política.” E garantiu: “Respeitamos com naturalidade, esperamos que seja uma candidatura forte e já tive ocasião de transmitir ao Governo e ao presidente da Câmara do Porto todo o nosso empenho e apoio para que possamos, Portugal, ganhar este investimento.”

Já Rui Moreira, também candidato nas próximas autárquicas, tinha dito esta quinta-feira de manhã que “valeu a pena ter levantado a voz” contra a decisão inicial do Governo e agradeceu o facto de o Executivo ter mudado de opinião.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fernando Medina: candidatura pela Agência do Medicamento “não foi bem conduzida”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião