Agência do Medicamento: Governo escolhe Porto

O Governo deu o dito por não dito e Porto é a cidade escolhida para apresentar candidatura à Agência Europeia do Medicamento. Decisão foi oficializada na reunião de Conselho de Ministros.

O Governo decidiu esta quinta-feira, em reunião de conselho de ministros, que o Porto é a cidade portuguesa candidata para acolher a sede da Agência Europeia do Medicamento (EMA, em inglês).

O Executivo de António Costa segue assim as indicações da Comissão Nacional de Candidatura (CNC) que terá indicado a proposta do Porto.

“Verificou-se que o Porto é a cidade mais indicada para se candidatar à Agência Europeia do Medicamento”, disse esta tarde Maria Manuel Leitão Marques, ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, na conferência de imprensa que se seguiu ao Conselho de Ministros.

Esta decisão é um volte-face na primeira decisão do Governo que, no final de abril, tinha escolhido a cidade de Lisboa como candidata para receber a Agência. Mas na sequência dos protestos do Porto, nomeadamente do presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, o Governo recuou tendo aberto um novo período para análise. Chegando mesmo o primeiro-ministro a manifestar interesse de que a cidade nortenha a acolher a sede da Agência do Medicamento.

Na reação à decisão do Governo, Manuel Pizarro, candidato pelo PS ao Porto, aplaudiu a alteração na decisão do Governo. “Nem todos os partidos nem todos os governos são iguais. Este Governo tomou uma decisão na base de uma fundamentação que achei incompleta e foi capaz de mudar de decisão, apresentados outros argumentos,” frisou, em declarações aos jornalistas, transmitidas pela TVI24. Questionado sobre se a alteração significava que o Governo reconheceu que errou, Pizarro respondeu afirmativamente: “O Governo reconheceu que havia argumentos que justificavam outra decisão. Fico satisfeito que os governos possam mudar.”

O Porto tem agora até ao final do mês de julho para a apresentação formal das candidaturas.

A Agência Europeia do Medicamento está de saída de Londres, onde tinha sede, no âmbito do processo do Brexit.

Notícia atualizada às 14h29 com declaração de Maria Manuel Leitão Marques e às 15h03 com a reação de Manuel Pizarro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Agência do Medicamento: Governo escolhe Porto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião