Incêndios: Seguradoras avaliam indemnizações em 19 milhões

  • Marta Santos Silva
  • 13 Julho 2017

Após um primeiro apuramento dos danos que estavam cobertos por contratos de seguros, a Associação Portuguesa de Seguradores estima que 18,8 milhões de euros venham a ser pagos pelas suas associadas.

Os danos provocados por incêndios na zona centro que estavam cobertos por seguros ascendem aos 18,8 milhões de euros, segundo uma estimativa inicial, que pode ainda ser atualizada, da Associação Portuguesa de Seguradores (APS).

De acordo com um comunicado enviado às redações pela APS, as suas associadas avaliaram os danos cobertos por apólices de seguros num total próximo dos 19 milhões de euros. Parte dos pagamentos já começaram a ser feitos, regista o comunicado, já que as empresas de seguros em questão tomaram “medidas específicas para assegurar a pronta resposta aos seus clientes, tendo deslocado no imediato profissionais para os locais afetados pelos incêndios”.

Os incêndios vividos na zona centro devastaram em particular os concelhos de Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos. Foram participados 423 incidentes cobertos por apólices de seguros, que totalizam cerca de 18,8 milhões de euros em indemnizações.

Segundo a Associação, a maior parte das indemnizações relaciona-se com seguros ligados ao comércio e indústria, com 26 processos abertos no valor de 11,9 milhões de euros. Os seguros multirriscos habitação constituem a segunda maior fatia de indemnizações, com 285 processos e cerca de 3,3 milhões de euros em danos. Houve ainda 1,5 milhões de euros apurados em acidentes de trabalho e pessoais, e indemnizações de 919 mil euros em indemnizações de seguros de vida.

“É possível que estes números venham ainda a subir”, ressalva a Associação Portuguesa de Seguradores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Incêndios: Seguradoras avaliam indemnizações em 19 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião