Adena Friedman: a gerir o Nasdaq como a Millennium Falcon

  • Juliana Nogueira Santos
  • 15 Julho 2017

Em entrevista à Fast Company, Adena Friedman faz um balanço do primeiro semestre à frente do índice tecnológico Nasdaq. E a paixão pela saga Star Wars não ficou de fora.

Adena Friedman tornou-se, em janeiro de 2017, a primeira mulher a gerir um índice de uma bolsa de valores norte-americana. Ao entrar para a posição de presidente executiva do maior índice tecnológico do mundo, o Nasdaq, Friedman decidiu seguir o caminho da criatividade e do “pensar fora da caixa” para conseguir cumprir com as metas que lhe foram propostas. Seis meses depois, falou à Fast Company, numa reportagem que retrata o seu dia-a-dia num mundo que é, tradicionalmente, de homens.

Numa altura em que as forças que puxaram o Nasdaq para a ribalta já não têm tanto vigor, com as ofertas públicas iniciais a escassear, o seu rival NYSE a conseguir arrecadar as maiores entradas em bolsa e as plataformas eletrónicas de negociação a tornarem-se mais comuns, este tem de ficar cada vais mais resiliente e expandir os seus produtos e serviços. “Se não olharmos para daqui a dez anos e não perceber onde é que a indústria estará ou onde quer estar, seremos ultrapassados”, justifica a CEO.

Adena Friedman é a presidente executiva do índice tecnológico NASDAQ desde janeiro de 2017.Andrew Harrer/Bloomberg

Assim, o índice tecnológico tem apostado em negócios e avanços no próprio campo onde trabalham, a tecnologia. Apresenta agora uma solução de vigilância que deteta comportamentos ilegais e um serviço de análise de informação. Tem dado também alguns passos no desenvolvimento de aplicações compatíveis com os dispositivos mais recentes como a Alexa da Amazon ou os HoloLens da Microsoft.

A última aposta, definitivamente a pensar a longo prazo, foi na área da blockchain, o sistema por detrás da mais badalada moeda virtual do mundo, a bitcoin, criando um registo imutável das negociações.

Mulheres trazem outras mulheres

Adena entrou para a Nasdaq ainda como estudante de MBA e foi subindo de posição durante duas décadas. Saiu em 2011 para ser CFO do Carlysle Group, mas voltou a “casa” em 2014, onde foi acompanhada pelo presidente executivo da altura para depois vir a ocupar o seu lugar. “Se alguém te dá uma oportunidade, tens de a maximizar para que te deem a próxima”, garante a executiva.

Assim, fez. No tempo em que esteve como estagiária era das primeiras a entrar e das últimas para sair e chegou até a passar o dia do seu aniversário no escritório numa situação de crise interna. “Foi uma daquelas situações em que fiz o que era preciso fazer. Mantinha a minha atitude de ‘estou no princípio da minha carreira, quero que saibam que estou aqui independentemente do que aconteça'”, revela Adena.

Em troca, a empresa garantiu-lhe algumas condições excecionais. Ao contrário do que acontece com outros executivos, Adena vive nos subúrbios de Washington D.C. e viaja quase os dias para Nova Iorque, para a atual sede da Nasdaq. Aí, mantém a sua casa onde vive com o seu marido e os seus dois filhos, Luke e Logan, e onde trabalha remotamente três dias por semana.

Para seguir a linha de solidariedade feminina, a primeira contratação que fez para a sua equipa, quando se tornou CEO, foi Melissa Arnoldi, responsável pelo desenvolvimento tecnológico da AT&T. Adena Friedman também se orgulha da percentagem de vice-presidentes femininas da sua empresa que está nos 21%, em comparação, por exemplo, com os 16% da Goldman Sachs.

Nos tempos livres, é cinturão negro de taekwondo e segue com afinco a saga Star Wars, tentando fazer a conexão entre a fantasia e o que a realidade nos pode trazer. É por aí que tenta levar a sua empresa: com a perseverança do desporto e a criatividade dos filmes.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Adena Friedman: a gerir o Nasdaq como a Millennium Falcon

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião