Exclusivo Caixa contrata Société Générale para vender banco em Espanha

  • Rita Atalaia
  • 15 Julho 2017

A CGD já escolheu o banco que vai apoiar a venda das operações no país vizinho. CaixaBI também vai estar envolvido nesta operação. Fica a faltar a luz verde do Ministério das Finanças.

Paulo Macedo deixou claro que uma das prioridades seria a venda das operações que a Caixa Geral de Depósitos (CGD) ainda tem em Espanha. E este processo está agora a dar mais alguns passos. O banco estatal já contratou o Société Générale para o apoiar nesta alienação, apurou o ECO. Uma operação que também vai contar com a assessoria do CaixaBI — o banco de investimento da Caixa.

Agora que está escolhido o banco que fará a assessoria desta venda, fica apenas a faltar um decreto-lei do Ministério das Finanças que permita esta venda, uma vez que estamos perante uma empresa pública. Contactada pelo ECO, a CGD não quis comentar.

A venda da operação em Espanha é uma “prioridade”, apesar de o Banco Caixa Geral Espanha ter contribuído com lucros de 25 milhões no ano passado para os resultados do grupo CGD. Foi esta a garantia que o presidente da CGD deixou na apresentação dos resultados do banco referentes ao ano de 2016 — quando a Caixa apresentou prejuízos de 1.859,5 milhões de euros, em resultado das elevadas imparidades que superaram a fasquia dos três mil milhões.

Este buraco levou a CGD a uma recapitalização de cinco mil milhões de euros, processo que envolveu dinheiros públicos e privados. O facto de ter existido uma injeção de capital estatal no banco necessitou de aprovação por parte de Bruxelas que obrigou a uma reestruturação da CGD. Um plano de negócios que vai levar a uma redução da presença internacional, com a venda das operações em Espanha, África do Sul e Brasil, mas também ao fecho de agências e despedimentos de funcionários em Portugal.

“Buraco” financeiro em Espanha

A justificação para os problemas em Espanha baseia-se, sobretudo, nas “operações da banca de investimento”, de acordo com o livro “Caixa Negra”. Segundo vários ex-responsáveis, o banco acabou por se envolver em operações que penalizaram o grupo.

“Segundo o dossiê deixado por Faria de Oliveira na comissão de inquérito à CGD, 20% das imparidades registadas em Espanha pelo grupo deveram-se a operações que tiveram lugar no Banco Caixa Geral. Os restantes 80% deviam-se a outras entidades do grupo, sobretudo as originadas no CaixaBI. Era em Espanha que ficavam parqueadas operações que podiam nem ter nada a ver com o país.”

É neste contexto que surgem investimentos ruinosos, como é o caso da La Seda e Artlant. Foi em 2006 que a CGD entrou no capital da La Seda Barcelona – uma petroquímica espanhola que produzia fibras artificiais e sintéticas em toda a Europa. Este também foi um dos projetos que levou o banco estatal a registar imparidades elevadas, uma vez que os empréstimos concedidos não foram devolvidos — a CGD investiu 121,3 milhões de euros na La Seda e financiou esta empresa em 75 milhões.

Ainda neste universo, a Artlant (fornecedora da La Seda) foi outra das empresas que pediu financiamento ao banco estatal, mas que não o devolveu — está em PER. Ao todo, a Artlant ficou a dever perto de 600 milhões de euros à CGD.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caixa contrata Société Générale para vender banco em Espanha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião