Estas inovações nasceram em universidades portuguesas

Na academia formam-se alunos... e startups. Cada vez mais universidades têm uma palavra a dizer no ecossistema empresarial do país. Visitámos seis e contamos como foi.

Inovações, disrupções, empresas, exits e muitos, muitos negócios. O ECO percorreu seis universidades do país, do Porto ao Algarve, para perceber que papel têm os académicos na comunidade empresarial. E vice-versa. Aqui fazemos o resumo do que aprendemos ao longo de seis semanas. Tudo para perceber o impacto que pode ter a European Innovation Academy que, pela primeira vez, se realiza em Portugal.

O dicionário dos dicionários

“Aqui no Técnico acompanhamos há muito a transformação digital, que agora se tornou uma questão premente”, explica ao ECO Luís Caldas de Oliveira, vice-presidente do Técnico para o empreendedorismo e as relações empresariais. Talvez por isso, a universidade lisboeta tenha serviço de berço ao Priberam, o conhecido dicionário que já serviu para satisfazer dúvidas da língua portuguesa.

O Instituto Superior Técnico foi uma das primeiras universidades do país a criar um departamento ligado ao empreendedorismo e inovação, que desse apoio aos alunos com vontade de criar os próprios negócios na sequência dos estudos.

Mas há mais. Senão vejamos: o Politécnico da Guarda, por exemplo, é outro caso. Não foi há muito tempo que a Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG) do Politécnico da Guarda perdeu a acreditação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) para financiamento de projetos de investigação: em 2014, a Unidade de Investigação chefiada pela professora Teresa Paiva desde o ano letivo 2010/2011 tinha vindo a passar por uma mudança multidisciplinar, que viu muitas iniciativas deixarem de estar apenas concentradas na área da investigação científica.

Nessa altura, os responsáveis da ESTG decidiram “reformular a unidade de investigação, para começar a trabalhar mais a vertente empresarial”, procurando financiamento através de candidaturas aos programas 2020 com projetos específicos e apostando, a par disso, no vale-inovação e na prestação de serviços a empresas. Muitas universidades do Interior do país pedem ajuda sempre que precisam de desenvolver soluções para problemas específicos relacionados com tecnologia, computação e transferência de conhecimento na área digital.

No ranking Time’s Higher Education, a Universidade da Beira Interior (UBI) está a atrair projetos e pessoas para o interior do país, ainda que tenha menos de 50 anos. E isso não é coincidência, garante o vice-reitor Paulo Vargas Moniz, em entrevista ao ECO. “Ser jovem também pode significar ser mais leve”, lembra, sublinhando que a “coordenação e a concertação internas são mais fáceis de atingir quando não tem de se enfrentar obstáculos ou hesitações”.

Estamos muito mais recetivos a testar ideias novas, temos muitos docentes jovens e em funções de direção, o que permite que coliderem estando sempre atentos ao que é novo.

Paulo Vargas Moniz

Vice-reitor da UBI

Aproveitar o declínio, criando

Mais a litoral, a Faculdade de Ciências do Porto é um dos motores de investigação e desenvolvimento da região. Só o parque tecnológico da Universidade integra hoje 192 empresas: foi de lá que saíram, por exemplo, nomes como a Interralate, a SplitForward e a VirtusAI.

Outro caso é o da Universidade de Coimbra. Albergada no polo II da Universidade, é a partir de uma casa senhorial mesmo ao lado da residência mais moderna de estudantes de engenharia que trabalha a DiTS — a ponte entre o meio académico e o tecido empresarial há 14 anos. “Acabamos por funcionar como consultores de inovação“, explica Miguel Dias Gonçalves, da Divisão de Inovação e Transferências de Saber.

Outro caso de sucesso é o do Instituto Pedro Nunes, que conta com êxitos como o da CRITICAL Software ou Feedzai, uma das startups que mais crescem a nível internacional.

De regresso a Lisboa, a Universidade Nova vai ao leme de vários projetos inovadores cujos resultados serão conhecidos dentro de dois ou três meses. Já a transformação digital, garantem os responsáveis, é tarefa de todos os dias.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estas inovações nasceram em universidades portuguesas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião