Só 15% das compras públicas são divulgadas aos cidadãos

  • ECO
  • 17 Julho 2017

A IGF concluiu que só 15% da despesa feita pela administração central do Estado entre 2013 e 2015 foi tornada pública no portal Base. Irregularidades em ajustes diretos estão na mira dos inspetores.

A Inspeção-Geral das Finanças (IGF) concluiu que 85% da despesa feita pela Administração Central do Estado não é publicitada no portal Base, uma plataforma digital acessível aos cidadãos onde são publicados os contratos públicos, cujo objetivo é promover a transparência quanto às contratações das entidades do Estado.

A notícia é avançada pelo Público (acesso condicionado), que cita uma autoria realizada pela IGF aos contratos celebrados por ajuste direto entre 2013 e 2015. Trata-se de uma modalidade que descarta a necessidade de concurso público, mas que tem regras próprias. A conclusão dos inspetores é que apenas 15% dos 15,9 mil milhões de euros de despesa realizada nesse triénio está disponível para consulta pública na internet.

Segundo o jornal, o ajuste direto foi usado em 85% das contratações públicas nesse triénio. E mesmo havendo vários tipos de contratação dentro daquilo que é considerado ajuste direto, a opção com “maior simplicidade” foi quase sempre a escolhida.

Além do mais, a IGF selecionou ainda 12 entidades para serem revistadas de forma mais aprofundada e detetou irregularidades em 73% dos casos de contratação pública com este método, muitas vezes por ausência de justificação válida, entre outros problemas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Só 15% das compras públicas são divulgadas aos cidadãos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião