Ensino Superior: Informáticos são quem ganha mais vagas

  • Lusa
  • 19 Julho 2017

Os cursos de informática são os que têm a maior subida no número de vagas para o ensino superior este ano. Saúde, Engenharias e Ciências Empresariais ainda assim vão à frente.

Os cursos de Saúde, Engenharias e Ciências Empresariais são os que têm maior número de vagas no concurso nacional de acesso ao ensino superior, mas é Informática que regista a maior subida, com mais 164 vagas face a 2016-2017.

De acordo com os dados disponibilizados pela Direção-Geral do Ensino Superior (DGES), Saúde tem 6.737 vagas disponíveis este ano para candidatos ao ensino superior, mais do que as 6.716 registadas no ano anterior. Engenharias e Técnicas Afins regista o maior número de vagas por área de estudo (9.063), o que representa menos 20 vagas do que no ano anterior. Seguem-se as Ciências Empresariais com 7.598 lugares contra os 7.557 de 2016-2017.

Numa lista marcada por alterações no número de vagas por área de estudo na ordem das dezenas, Informática sobressai pelo acréscimo de 164 vagas em relação às levadas a concurso no ano anterior. Numa análise por instituição pública de ensino superior, a estabilidade no número de vagas é a nota dominante, com duas exceções: o politécnico de Bragança que ganha quase 100 lugares enquanto o politécnico de Santarém perde quase 50.

O número de vagas no ensino superior aumenta este ano pelo segundo ano consecutivo, mas de forma residual, com um crescimento de 150 lugares que coloca oferta nas 50.838 vagas nas universidades e politécnicos públicos. Há 42.128 vagas para 952 licenciaturas, 8.547 vagas para 103 mestrados integrados e 163 vagas para sete cursos preparatórios de mestrado integrado.

As candidaturas à 1.ª fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior arrancam hoje e decorrem até 08 de agosto, e devem ser submetidas ‘online’, no portal da DGES, devendo os candidatos usar o cartão de cidadão para autenticação. Os resultados da 1.ª fase são divulgados no dia 11 de setembro, no portal da DGES, e seguem-se depois as 2.ª e 3.ª fases do concurso nacional de acesso.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ensino Superior: Informáticos são quem ganha mais vagas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião