Governo diz que não foram discutidas sanções à Venezuela

  • Ana Batalha Oliveira e Cristina Oliveira da Silva
  • 19 Julho 2017

Jornal espanhol diz que, entre os 28 Estados membros, só Portugal não está disponível a aplicar sanções à Venezuela. MNE nega e diz que o tema ainda nem sequer foi abordado.

O povo venezuelano tem-se manifestado contra mudanças à Constituição que o Presidente, Nicolás Maduro, quer discutir em Assembleia. De acordo com o jornal espanhol El País, todos os países da União Europeia, exceto Portugal, mostram-se dispostos a aplicar sanções económicas à Venezuela no caso de o presidente convocar uma Assembleia Constituinte. Porém, o Governo português desmente esta posição.

A informação “veiculada pelo jornal El País não é verdadeira”, começa por dizer fonte do Ministério dos Negócios Estrangeiros em comunicado. E depois explica que o assunto não foi sequer discutido: “Portugal não se opôs, no seio da União Europeia, à aplicação de sanções à Venezuela, pela simples razão de que essa questão não foi ainda discutida entre os Estados-Membros da UE”.

Ainda de acordo com o ministério de Augusto Santos Silva, “Portugal tem participado ativamente na formação do consenso necessário à definição da posição da UE sobre a Venezuela, tal como resulta, designadamente, das conclusões aprovadas no Conselho de Negócios Estrangeiros de 15 de maio, conclusões essas nas quais Portugal se revê inteiramente, e também da declaração feita anteontem pela Alta Representante, Federica Mogherini”.

“A UE, e com ela Portugal, têm feito tudo o que está ao seu alcance para favorecer uma solução política inclusiva na Venezuela, respeitadora do Estado de Direito, do pluralismo político e do princípio de resolução pacífica dos diferendos”, conclui o ministério.

A resposta surge depois de o jornal espanhol El País ter indicado que a delegação da UE em Caracas tem a informação de que todos os países da UE estão abertos à possibilidade de sanções, exceto Portugal. As sanções económicas “estão na mesa”, afirmou a alta representante da União Europeia para a Política Exterior, Federica Mogherini. O ministro dos Assuntos Exteriores espanhol, Alfonso Dastis, foi até agora o mais claro quanto às intenções, declarando essa possibilidade esta segunda-feira.

Não é só o grosso da União Europeia, mas também Donald Trump, o presidente dos Estados Unidos, já ameaçou a Venezuela de sanções económicas, numa tentativa de convencer o presidente Nicolás Maduro a desistir de fazer alterações à constituição, propósito para o qual este convocou uma Assembleia Constituinte.

Os EUA defendem “sanções económicas fortes e rápidas” enquanto a Espanha realça a necessidade de sanções “específicas, individuais e seletivas” de forma a não prejudicar o conjunto dos venezuelanos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo diz que não foram discutidas sanções à Venezuela

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião