FDA quer menos nicotina nos cigarros. Tabaqueiras afundam

A reguladora da saúde norte-americana, a FDA, anunciou esta sexta-feira uma proposta para os cigarros que está a afetar as tabaqueiras na bolsa. As cotadas estão a cair entre 6 a 12%.

A Food and Drug Administration (FDA) vai propor que os cigarros passem a ter níveis de nicotina que não levem ao vício dos consumidores. As ações das tabaqueiras estão a cair entre 6 a 12% em Wall Street, em reação à proposta. As autoridades norte-americanas estimam que o tabaco seja responsável por mais de 480 mil mortes por ano, sendo a principal causa de doenças evitáveis.

Entre as principais quedas estão três tabaqueiras: a British American Tobacco (Camel, Lucky Strike e Newport) com uma queda de 9.49%, o Altria Group (vende a Marlboro nos Estados Unidos) a desvalorizar 10.90% e a reconhecida Philip Morris International a deslizar 3.52%.

A tese da FDA é que, ao diminuir a nicotina dos cigarros para níveis ‘não-viciantes’, conseguirá diminuir o número de jovens que se tornam, desde cedo, fumadores. As autoridades estimam que quase 90% dos adultos fumadores começaram a fumar cigarros antes de terem 18 anos. Ao ter cigarros menos viciantes, a FDA espera ver os números de fumadores a cair nos próximos anos.

“A FDA planeia começar uma discussão pública sobre baixar os níveis de nicotina nos cigarros combustíveis para níveis ‘não-viciantes'”, lê-se no comunicado divulgado esta sexta-feira. Segundo o responsável da FDA, Scott Gottlieb, “a não ser que mudemos o rumo das coisas, 5,6 milhões de jovens que estão vivos agora irão morrer de forma prematura por causa do uso do tabaco”. O objetivo é ter cigarros que não viciem e oferecer alternativas mais saudáveis para quem já está viciado.

(Atualizado às 16h09)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FDA quer menos nicotina nos cigarros. Tabaqueiras afundam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião