União Europeia admite congelar contas para evitar fugas de depósitos

União Europeia está a estudar permitir que, em situação de crise, os supervisores possam bloquear temporariamente o acesso às contas, permitindo o acesso apenas a um volume limitado de fundos.

Os Estados membros da União Europeia estão a estudar a implementação de medidas que permitam aos supervisores bancários congelar contas, de forma a evitar grandes fugas de depósitos que, por sua vez, contribuam para o colapso de um banco. A hipótese consta de um documento elaborado pela presidência do Conselho Europeu, a que a Reuters teve acesso.

A proposta está a ser trabalhada desde o início deste ano e a ideia seria ajudar a recuperar bancos em risco de falência. Na prática, as entidades de supervisão poderiam bloquear temporariamente o acesso às contas bancárias, permitindo o acesso apenas a um volume limitado de fundos.

Mas não só não há consenso entre todos os Estados membros, como os próprios bancos não estão certos da eficácia de uma medida destas. Desde logo, defende a Associação para os Mercados Financeiros na Europa, um grupo de lobby do setor bancário, os clientes teriam tendência a levantar os seus depósitos em fases cada vez mais prematuras, para evitarem ter as contas congeladas. Por outro lado, esta seria uma forma de desincentivo à poupança.

A defender a medida estão países de peso como a Alemanha, onde já é permitido que, em caso de insolvência, os bancos possam reter, temporariamente, levantamentos dos seus depositantes. “A intenção é prevenir uma corrida aos bancos, para que, quando um banco está numa situação crítica, não seja empurrado para o precipício”, diz à Reuters fonte próxima do governo alemão.

A proposta, avançada pela Estónia, foi discutida pelos Estados membros no dia 13 de julho, mas não foi tomadaqualquer decisão. As discussões sobre esta medida deverão ser retomadas em setembro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

União Europeia admite congelar contas para evitar fugas de depósitos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião