Estado encaixa 46,8 milhões no primeiro ano de jogo online

No primeiro ano em que o jogo online esteve no mercado regulado, o Estado arrecadou 48,8 milhões de euros em receitas fiscais. Em causa está o Imposto Especial de Jogo Online.

No final de maio do ano passado, foi emitida a primeira licença para a exploração de jogos e apostas online. Um ano depois, o Estado já lucrou 46,8 milhões de euros com o imposto que criou quando regulou este mercado. No total, a atividade do jogo online já gerou 108,1 milhões de euros de receita bruta até 30 de junho deste ano, segundo um relatório do Turismo de Portugal.

“A atividade de jogos e apostas online gerou, desde a emissão da primeira licença e até 30 de junho de 2017, mais de 108,1 milhões de euros de receita bruta”, revela o relatório do 2º trimestre este ano da “Atividade do Jogo Online em Portugal”, do Turismo de Portugal. O relatório permite concluir que no total o Estado já recebeu 46,8 milhões de euros do Imposto Especial de Jogo Online.

A receita do imposto foi mais expressiva no segundo semestre do ano passado, tendo diminuído no primeiro semestre este ano. “Durante os primeiros seis meses de 2017, o Imposto Especial de Jogo Online (IEJO) ascendeu a 16,3 milhões de euros”, indica o relatório.

Atualmente existem cinco entidades autorizadas a explorar esta atividade em Portugal: existem três licenças para exploração de apostas desportivas à cota e quatro licenças para exploração de jogos de fortuna ou azar. “Desde a data da emissão da primeira licença e até 30 de junho de 2017, registaram-se cerca de 588 mil jogadores nas diferentes entidades exploradoras detentoras de licenças para a exploração de jogos e apostas online”, revela ainda o relatório.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estado encaixa 46,8 milhões no primeiro ano de jogo online

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião