Concursos e contratos públicos aumentam em junho contra 2016

  • Lusa
  • 4 Agosto 2017

Em junho deste ano publicaram-se mais concursos e contratos públicos do que no ano anterior, mas menos do que em maio de 2017: em maio foram mais 696 contratos.

Os anúncios em Diário da República de concursos e contratos públicos celebrados aumentaram em junho em termos homólogos, para 1.038, tendo recuado face a maio, mas totalizando um montante superior, divulgou hoje o IMPIC.

Segundo a síntese mensal da contratação pública do Instituto dos Mercados Públicos do Imobiliário e da Construção (IMPIC), os 1.038 anúncios de abertura de concursos de aquisição de bens, serviços e empreitadas publicados em junho totalizaram um montante de 730 milhões de euros. Deste total, as empreitadas de obras públicas representaram 222 milhões de euros (30%), pertencendo o restante (508 milhões de euros) a contratos de bens e serviços (70%).

Comparando com o mês anterior, em junho deste ano foram publicados menos 64 anúncios do que em maio (1.102 anúncios, um dos valores mais elevados desde janeiro de 2014), mas representando um aumento da despesa prevista em 103 milhões de euros (730 milhões de euros em junho contra 627 milhões de euros em maio).

Numa comparação homóloga, em junho de 2017 foram publicados no Diário da República mais 306 anúncios do que em junho de 2017 (mês em que foram publicados 732 anúncios).

Em termos de despesa, os anúncios de junho de 2017 representam um acréscimo da despesa prevista de 444 milhões de euros face a igual período do ano anterior (730 milhões de euros em junho de 2017 contra 286 milhões de euros em junho de 2016).

No que se refere aos contratos publicados, somaram 11.131 em junho, totalizando 523 milhões de euros, tendo o ajuste direto (81%) sido o procedimento mais utilizado e também o que sobressaiu do ponto de vista da despesa (44%). Seguiram-se as aquisições ao abrigo de acordos-quadro e, em terceiro lugar, o concurso público.

Comparando com o mês anterior, em junho de 2017 foram publicados menos 696 contratos que representam, em termos de despesa, menos 106 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Concursos e contratos públicos aumentam em junho contra 2016

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião