Mário Ferreira: “O nosso foco é estar na Antártida”

  • ECO
  • 5 Agosto 2017

O dono da Douro Azul, em entrevista ao Dinheiro Vivo, explica a aposta na região da Antártida. Descarta investimentos em Lisboa por considerar que já tem os preços "completamente inflacionados”.

Na semana em que foi conhecida a notícia de que o navio-cruzeiro encomendado por Mário Ferreira à Martifer — o ‘MS World Explorer’ que servirá para os cruzeiros de expedição na Antártida — já está em construção nos Estaleiros de Viana do Castelo e vai contar com a parceria da Rolls-Royce para os motores, o empresário do Norte falou sobre a aposta nessa região.

Mário Ferreira sobre a Antártida: “Já estamos a trabalhar nos cruzeiros de expedições há muitos anos. Começámos pela Amazónia e nessa altura a ideia era fazer metade do ano na Amazónia e outra metade na Antártida. Neste momento, o nosso foco é estar na Antártida e depois vir para o Mediterrâneo, o Báltico e o Ártico, porque é aquilo que o mercado mais procura e nós ajustámos. Este é o que vai começar.

“A primeira viagem será em novembro do próximo ano e será uma viagem emblemática, porque será Lisboa-Rio de Janeiro. Passa por Funchal, Canárias, Cabo Verde, a ilha de Fernando de Noronha, Recife, a costa brasileira e Rio de Janeiro. Não temos grandes travessias de mar, mas vamos parando ao longo do percurso”.

Sobre a possibilidade de investir em Lisboa, responde ao Dinheiro Vivo com um rotundo “não”. E acrescenta: “Investir em Lisboa, neste momento, nem pensar. Os preços estão completamente inflacionados”.

E Porto, quando comparado com as ofertas disponíveis em Lisboa e no Algarve? “Quando falamos de Porto e Norte de Portugal, estamos a falar de território mais extenso, com mais diferenças em termos geográficos, morfológicos, de atração e de paisagem. O Minho tem características muito próprias, o Douro vinhateiro tem um perfil especial, Trás-os-Montes tem outras valências e o Porto cidade também. Há essa facilidade e essa bênção de poder mostrar um produto base mais diversificado, podendo atrair públicos mais diversos e em diferentes alturas do ano”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mário Ferreira: “O nosso foco é estar na Antártida”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião