Lifecooler aloja turistas em residências universitárias

  • Lusa
  • 8 Agosto 2017

O projeto aproveita as residências universitárias, que estão vazias em agosto, para alojar turistas. Já disponibilizou 48 quartos e 68 camas.

A marca Lifecooler, da empresa portuguesa Sítios, quer aproveitar residências universitárias, vazias em agosto, para receberem turistas que querem visitar Lisboa numa época que tem muita procura, disse hoje o seu responsável.

“A ideia partiu da constatação de que a cidade está com muita procura e, ao mesmo tempo, tem sítios disponíveis”, como as residências universitárias, já que os estudantes estão de férias, explicou à agência Lusa Paulo Parreira. E, ao abrigo da lei do alojamento local, o novo conceito permite “aproveitar a oferta que existe e ‘casá-la’ com a procura excecional” que se regista atualmente em Lisboa, acrescentou.

Para já, a marca, que se dedica essencialmente a disponibilizar experiências, apostou num projeto-piloto e arrendou uma residência universitária com 48 quartos e 68 camas, durante o mês de agosto, e decorou o espaço com sugestões de viagens, locais a visitar e passeios a Lisboa.

“A Lifecooler não é de todo quartos, tem uma atividade relacionada com experiências e esta ideia permite aproveitar espaços inativos”, fazendo do alojamento o ponto de partida para conhecer a cidade, reforçou Paulo Parreira. Além das residências para estudantes, a maior parte das quais são de universidades, o responsável da marca especialista em experiências turísticas refere o exemplo de outros espaços vagos, como seminários ou quartéis.

Iniciado a 01 de agosto, o novo projeto designado ‘Rooms & Experiences’ “está a correr bem”, já que a taxa de ocupação é de 70%, mas Paulo Parreira prefere esperar pelo fim do mês para fazer uma avaliação e decidir se é para apostar. Mais conhecida em Portugal pelos livros de descontos, que oferecem vantagens em restaurantes, hotéis e atividades turísticas, a marca está também presente no mercado das vendas ‘online’ e dos pacotes de experiências para oferta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lifecooler aloja turistas em residências universitárias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião