OPA ao Montepio arranca hoje. Associação Mutualista prevê investir 60 milhões

Associação Mutualista paga um euro por cada unidade do fundo do Montepio Geral. Objetivo passa por retirar banco de bolsa e abrir a porta da instituição aos acionistas da economia social.

Arranca esta segunda-feira a Oferta Pública de Aquisição (OPA) da Associação Mutualista Montepio Geral sobre a Caixa Económica Montepio Geral, numa operação em que a entidade liderada por Tomás Correia prevê investir 59 milhões de euros para adquirir as unidades de participação do fundo do banco. O objetivo passa por retirar o Montepio de bolsa, numa estratégia mais alargada que visa a entrada de novos acionistas, como a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

A Associação Mutualista oferece um euro por cada unidade do fundo que está cotado em bolsa, um valor igual ao que estes títulos foram vendidos numa primeira fase a investidores de retalho. Pretende adquirir os 15% do fundo que ainda não está na sua posse.

O período da oferta decorre entre as 8h30 desta segunda-feira e as 15h30 do dia 8 de setembro. Os detentores das unidades de participação que aceitem a oferta poderão revogar as suas declarações de aceitação até às 23h59 do dia 3 de setembro de 2017. Para o dia 11 de setembro está agendado o apuramento e divulgação dos resultados da oferta.

A OPA surge num contexto de fortes alterações empreendidas pela administração do banco liderada por Félix Morgado e até pelo principal acionista, a Caixa Económica. Além da OPA, a Associação Mutualista decidiu avançar para um aumento de capital de 250 milhões de euros e para a transformação da caixa económica em sociedade anónima, na qual as unidades de participação darão lugar a ações do banco.

De resto, no prospeto aprovado na sexta-feira, a Associação Mutualista anunciou que manterá uma ordem permanente de compra também sobre as ações que sejam entretanto emitidas e que estejam na posse de quem não aceitou vender as unidades nesta OPA.

Foi a 4 de julho que a Associação Mutualista anunciou o lançamento da OPA. Desde então a instituição tem estado ativa na aquisição de unidades ao ponto de ter adquirido no espaço de quase um mês metade daquilo que era o objeto da oferta e de ter chegado à última sexta-feira com 85% do fundo já nas suas mãos.

Segundo anunciou Tomás Correia na altura, a OPA representa “uma medida fundamental para que, após a sua transformação em sociedade anónima, o capital social da Caixa Económica venha a ser detido, na maior extensão possível, por entidades da economia social”. “É um importante passo para dar corpo à estratégia de tornar a Caixa Económica na Instituição Financeira da Economia Social, podendo assim contribuir ativamente para o desenvolvimento do nosso país”, frisou o presidente da Associação Mutualista

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OPA ao Montepio arranca hoje. Associação Mutualista prevê investir 60 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião