Portugal cresce acima da zona euro. Há quanto tempo isto não acontecia?

  • Margarida Peixoto
  • 14 Agosto 2017

O INE revela a estimativa do PIB do segundo trimestre esta segunda-feira. Portugal deverá confirmar nove meses a crescer mais do que a zona euro. Desde 2001 que isto não acontecia.

Esta segunda-feira, o Instituto Nacional de Estatística (INE) vai divulgar a estimativa preliminar para o crescimento do PIB português, no segundo trimestre. A expectativa é que o número seja ainda melhor do que o dos primeiros três meses do ano e é já muito provável que se destaque como o terceiro crescimento consecutivo acima da média da zona euro. A concretizar-se, um período de crescimento assim não se verificava desde o final de 2001. O ECO regressou ao passado para colocar o presente em perspetiva. Venha daí.

Estávamos em pleno mandato de António Guterres. A Expo’98 ainda estava na cabeça dos portugueses e a euforia da construção dos dez estádios para receber o Euro 2004 já estava à vista. O Porto tinha sido capital europeia da cultura e nas rádios a Kylie Minogue cantava “Can’t get you out of my head” — estava no top em Portugal. Quando estreou Mulholland Drive, de David Lynch, nos cinemas portugueses já se pagava com euros. E entre outubro de 2001 e junho de 2002 a economia portuguesa cresceu mais do que a zona euro. Foi o último período de nove meses consecutivos em que Portugal cresceu acima da média do euro, até hoje.

Portugal versus a zona euro

Fonte: Eurostat

Segundo os economistas ouvidos pela Lusa, no segundo trimestre Portugal deverá ter crescido em torno de 3%, quando comparado com os mesmos três meses de 2016. Se se verificar, este número fica acima dos 2,8% registados no primeiro trimestre do ano. Manuel Caldeira Cabral, ministro da Economia, também já tinha dito que “há alguns sinais de que o segundo trimestre possa ter um crescimento superior” ao do primeiro.

Esta segunda-feira o INE ainda não vai revelar quais os componentes que mais puxaram pelo PIB — poderá dar apenas umas pistas. No primeiro trimestre, a procura externa líquida deu um contributo positivo (de 0,5 pontos percentuais) e a procura interna ajudou com os restantes 2,3 pontos. Tanto o investimento, como as exportações cresceram; já o consumo privado e o público desaceleraram.

Apesar da coincidência de, nos dois períodos, Portugal estar a andar mais depressa do que os parceiros da moeda única, a economia vivia ciclos muito diferentes. No final de 2001, início de 2002, Portugal estava a abrandar — como aliás também estava o resto da União Europeia — depois de um ciclo de crescimentos mais expressivos, onde era normal crescer mais de 3%. Portugal só levou mais tempo a abrandar do que o resto dos parceiros, mas depois não recuperou com o mesmo vigor. Agora, pelo contrário, a economia portuguesa vem de um período de crise acentuada, com uma recessão profunda.

Para colocar em perspetiva o crescimento e as características da economia nacional agora, com as que evidenciava no início do século, o ECO mostra-lhe um frente a frente entre os dois períodos, para os quatro componentes do PIB. Como ainda não há dados desagregados para o segundo trimestre de 2017, a comparação é feita entre o primeiro trimestre de 2002 e o primeiro de 2017.

Quanto pesam as importações no PIB?

Fonte: INE

Em 15 anos, o peso das importações no PIB subiu para mais de 40%. A alteração mostra o aumento do grau de abertura da economia nacional, mas não só: Portugal continua a depender de muitas importações tanto para o consumo, como para o investimento.

E as exportações?

Fonte: INE

Esta é uma das alterações estruturais vividas nos últimos 15 anos que é mais visível. As exportações têm crescido de forma consistente e o seu peso no PIB supera já os 40%. Esta característica ainda se mantém no período de crescimento que o país atravessa agora e confere um maior grau de sustentabilidade ao crescimento. Um dos dados importantes a avaliar agora no segundo trimestre de 2017 será saber se as exportações crescem o suficiente para manter um contributo positivo da procura externa líquida.

Quanto vale o consumo privado?

Fonte: INE

Em 2002, o consumo privado pesava 60,6% no PIB. 15 anos depois, o peso manteve-se praticamente inalterado, nos 64% do PIB.

E o investimento?

Fonte: INE

Já o investimento registou uma quebra significativa. De 26,8% do PIB, passou a 15,2%. Os economistas têm alertado para os riscos que corre uma economia que não investe, sublinhando que sem investimento Portugal compromete crescimento futuro. Contudo, a história também já demonstrou que não basta investir muito para crescer.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal cresce acima da zona euro. Há quanto tempo isto não acontecia?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião