Institucionais avançam com processo contra resolução do Popular

  • ECO
  • 17 Agosto 2017

Fundos de investimento querem reverter a medida de resolução imposta pela Comissão Europeia ao Popular, que resultou na venda do banco ao Santander, por um euro.

Um grupo de investidores institucionais avançou com uma ação legal contra as autoridades europeias, para contestar a venda do Banco Popular ao Santander.

De acordo com o Financial Times (acesso pago), a ação está a ser liderada pela sociedade de advogados Quinn Emanuel e foi entregue, esta quinta-feira, ao Tribunal Europeu de Justiça. Entre os investidores, estão os fundos de investimento Anchorage Capital, Algebris e Ronit Capital, que pretendem anular a decisão da Comissão Europeia de impor a venda do Popular ao Santander por um euro.

A ação judicial avança no dia em que termina o prazo para recorrer, junto da União Europeia, da medida de resolução do Popular.

Esta é apenas mais uma tentativa de reverter a resolução imposta por Bruxelas. Também este mês, um grupo de cerca de dois mil acionista minoritários do Popular decidiu recorrer desta decisão.

Seja como for, a venda está perto de estar concretizada. A Comissão Europeia já deu luz verde à medida de resolução, por considerar que “não levanta preocupações de concorrência na Zona Económica Europeia”. Em Portugal, onde tanto o Popular como o Santander têm atividade, fica ainda a faltar a aprovação do Banco Central Europeu e um parecer favorável do Banco de Portugal, para que o Banco Popular Portugal seja integrado no Santander Totta.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Institucionais avançam com processo contra resolução do Popular

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião