Isabel dos Santos investe 100 milhões em fábrica embalagens de vidro em Luanda

  • Lusa
  • 18 Agosto 2017

A Sodiba, fábrica angolana de cervejas de Isabel dos Santos, prevê investir 120 milhões de dólares numa nova unidade de embalagens de vidro em Luanda.

Um grupo liderado pela Sodiba, fábrica angolana de cervejas de Isabel dos Santos, prevê investir 120 milhões de dólares (102 milhões de euros) para instalar em Luanda uma unidade de embalagens de vidro.

A informação consta do contrato de investimento entre o grupo privado e a Unidade Técnica para o Investimento Privado (UTIP) e que além da Sodiba – fábrica que assegura a produção, a partir de Luanda, da cerveja portuguesa Sagres – envolve também a Embalvidro e a Industrial Africa Development (IAD).

De acordo com o contrato, autorizado por despacho presidencial de 14 de agosto ao qual a Lusa teve hoje acesso, os investidores privados pretendem construir e operar, em Luanda, uma unidade produtiva de embalagens de vidro.

Na nova fábrica, a empresa de Isabel dos Santos, filha do chefe de Estado angolano, terá uma participação de 51%, enquanto a IAD contará com uma posição de 49%, estimando o contrato de investimento o aumento da capacidade produtiva nacional, a “promoção do desenvolvimento de zonas mais desfavorecidas” e a criação de 188 postos de trabalho diretos.

O contrato com a UTIP, em representação do Estado, prevê a atribuição de vários benefícios fiscais, desde logo a redução em 67,5% da taxa do imposto sobre a aplicação de capitais e de SISA, durante oito anos.

A Sagres, cerveja portuguesa que começou a ser produzida este ano em Angola, pela Sodiba, pretende retomar o seu volume de vendas, de cerca de 35,3 milhões de litros anuais, relativo ao período antes do início da crise económica angolana.

A meta foi avançada anteriormente pelo administrador da Sagres para a área de logística, José Torres, que no início deste ano admitiu que devido à crise que se faz sentir em Angola desde 2014 as vendas foram fortemente afetadas.

“Como cerveja de exportação chegamos a vender cerca de 35,3 milhões de litros em Angola. Era o volume que nós tínhamos antes de começar a crise”, referiu.

Acrescentou ainda que outro dos objetivos é serem capazes de recuperar, no primeiro ano, os mesmos volumes e atingirem uma quota de mercado da marca Sagres, de cerca de 5% do total do mercado angolano.

“Isso é o volume que nos estamos a propor e queremos atingir”, frisou.

A marca portuguesa foi instalada em Angola em parceria com a Sociedade de Distribuição de Bebidas de Angola (Sodiba), fábrica da empresária angolana Isabel dos Santos.

Para a instalação daquela unidade fabril, a Sodiba, a mais recente empresa de produção e distribuição de bebidas em Angola, fez um investimento, maioritariamente angolano, que ascendeu os 150 milhões de dólares (cerca de 141 milhões de euros).

Localizado no Polo Industrial do Bom Jesus, a 60 quilómetros de Luanda, este complexo industrial conta com uma área total de 40 hectares e uma capacidade de produção instalada de 144 milhões de litros/ano de cerveja, extensível até 200 milhões de litros, tendo a produção arrancado em janeiro passado.

Envolve duas linhas de enchimento, uma com capacidade para 50 mil garrafas/hora e outras linhas para o enchimento de latas com a mesma capacidade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Isabel dos Santos investe 100 milhões em fábrica embalagens de vidro em Luanda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião