Isabel dos Santos: “Há preconceito sobre as minhas origens”

  • Juliana Nogueira Santos
  • 4 Abril 2017

Em declarações à BBC News, a empresária e filha mais velha de José Eduardo dos Santos garantiu que as suas origens lhe trazem privilégios e, principalmente, preconceitos.

A empresária Isabel dos Santos garante que ser quem é traz “preconceitos e benefícios”. Em entrevista à BBC News, aquando da deslocação a Londres para discursar na LSE Africa Summit, a gestora abordou vários aspetos da sua vida profissional e pessoal, incluindo o que significa ser “a filha do presidente”.

Sou privilegiada no sentido em que tive uma boa educação, sou privilegiada no sentido em que pude ver o mundo, sou uma pessoa muito exposta que consegue interagir com pessoas de todos os espetros de vida. E penso que é só isso. Depois misturar isso com o preconceito e o sentimento de que essas vantagens foram injustas ou obtidas através de favores ou favoritismo”, desenvolveu Isabel dos Santos.

Aproveitando o caso de Ivanka e Donald Trump, a empresária fez questão de afirmar que o estatuto de filha do presidente é “um mito”: “És a filha dos teus pais, tens um pai e uma mãe. E a relação com eles envolve emoções e família. O trabalho dos teus pais, quer sejam presidentes ou CEO, é algo que entra na vida profissional e esses são dois aspetos bastante diferentes.”

Com uma fortuna avaliada em 3,1 mil milhões pela Forbes, Isabel dos Santos garantiu que o facto de ter sido apontada para a direção da Sonangol foi motivado pelo seu passado no setor empresarial: “Tenho um registo de construção de negócios e de entender como levar um negócio para a frente.” E essas capacidades foram decisivas para uma empresa estatal que, segundo a própria, “estava numa situação particularmente difícil.”

A questão da discriminação de géneros também foi abordada pela empresária, que confirmou que “ser mulher, ser jovem e ser negra” é um desafio com o qual tem de lidar todos os dias e que deve merecer a atenção dos empregadores.

E acabou por deixar um recado para todas as raparigas “Encorajo as raparigas a lutarem, a terem uma educação, têm de ser ambiciosas e também ter confiança”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Isabel dos Santos: “Há preconceito sobre as minhas origens”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião