Isabel dos Santos diz no Twitter que a “Sonangol recebeu os dividendos da Galp”

Empresária respondeu no Twitter ao Governo angolano, que diz que a sua Sonangol não recebeu dividendos da Galp, onde é acionista. Isabel dos Santos diz que angolanos até pagaram impostos na Holanda.

“A Sonangol recebeu os dividendos da Galp e pagou os impostos referentes aos mesmos dividendos às autoridades holandesas”. É desta forma que Isabel dos Santos responde ao Governo angolano, que diz que a Sonangol não recebeu os dividendos da Galp, onde a petrolífera angolana é acionista.

Em causa está uma notícia avançada no fim de semana pelo Expresso e que dá conta de que, entre 2012 e 2016, cerca de 438 milhões de euros pagos em dividendos pela Galp GALP 0,42% à Esperaza, holding detida pela Sonangol e por Isabel dos Santos, nunca chegaram aos cofres da petrolífera estatal angolana.

No seguimento disso, o Governo angolano assegurou ao semanário que vai entrar numa “batalha” para obter esse dinheiro, o que “não vai deixar tranquilo o antigo Presidente” — José Eduardo dos Santos, que é pai de Isabel dos Santos.

Porém, a empresária angolana diz que essa notícia é falsa. Isso mesmo fez questão de dizer numa imagem publicada este domingo na sua conta de Twitter. Voltou a negar esta notícia horas depois, já esta segunda-feira, reforçando que a Sonangol pagou inclusivamente os impostos na Holanda relativos à remuneração que auferiu enquanto acionista de referência da Galp.

O semanário adiantou no sábado que, entre 2006 (ano em que o empresário Américo Amorim se tornou acionista de referência da Galp) e 2016, a petrolífera portuguesa distribuiu 2,76 mil milhões de euros em dividendos. Destes, 973 milhões foram entregues à Amorim Energia, holding controlada em 55% pela família Amorim e em 45% pela Esperaza, que, por sua vez, é detida em 60% pela Sonangol e em 40% por Isabel dos Santos.

Entre 2012 e 2016, a Amorim Energia deteve 38,34% da Galp. Em 2016, voltou a reduzir a participação, para 33,34%, numa venda que lhe rendeu 484,6 milhões de euros. Nesse período, a Esperaza deveria ter recebido, indiretamente, 438 milhões de euros de dividendos relativos à Galp, pelo que a Sonangol, enquanto sua acionista, deveria ter direito a cerca de 260 milhões (o equivalente aos 60% da sua participação).

Por causa deste assunto, Carlos Saturnino, atual presidente da Sonangol, veio a Portugal para falar com a Galp, após ter constatado, no seguimento do afastamento de Isabel dos Santos da presidência da Sonangol, que não havia registos nas suas contas da petrolífera angolana dos dividendos da Galp.

Uma fonte do Governo de Luanda citada pelo Expresso acusou o anterior Executivo de ser responsável por esta “apagão” nas contas da Sonangol.

(Notícia atualizada às 13h43)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Isabel dos Santos diz no Twitter que a “Sonangol recebeu os dividendos da Galp”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião