Sonangol acusa Isabel dos Santos de ter transferido 38 milhões após exoneração

Sonangol volta a entrar em rota de colisão com a anterior presidente. Saturnino acusa Isabel dos Santos de ter transferido dinheiro da petrolífera para fora do país já após a sua exoneração.

A Sonangol está a acusar Isabel dos Santos de ter autorizado a transferência de 38 milhões de dólares da petrolífera angolana para o exterior dias após a sua exoneração enquanto presidente da empresa, diz a Bloomberg.

De acordo com o atual chairman da Sonangol, Carlos Saturnino, o dinheiro teve como destino uma empresa no Dubai, a Matter Business Solutions DMCC, tendo a anterior presidente da Sonangol usado o banco português BIC para concretizar estas operações. O ECO tentou obter esclarecimentos junto da empresária, mas sem sucesso. Também não foi possível obter resposta por parte do BIC.

Ao todo, foram identificadas pela petrolífera do Estado angolana mais de 36 faturas por serviços não especificados, entre os dias 2 de novembro e 19 de novembro, submetidas pela Matter Business ao BIC, banco controlado em parte pela filha do antigo Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos. Isabel dos Santos viria a ser exonerada a 15 de novembro.

Segundo Carlos Saturnino, citado pela agência Bloomberg, a Sonangol já reportou o caso às “autoridades competentes”.

Este não é o primeiro conflito entre Sonangol e a anterior chairwoman. Recentemente, o Governo angolano, liderado desde setembro do ano passado por João Lourenço, revelou que não recebeu os dividendos provenientes da sua posição na portuguesa Galp. Em causa estavam cerca de 438 milhões de euros pagos em dividendos pela Galp à Esperaza, holding detida pela Sonangol e por Isabel dos Santos, nunca chegaram aos cofres da petrolífera estatal angolana.

A notícia foi prontamente desmentida pela empresária angolana, que assegurou que a Sonangol recebeu os dividendos da Galp , tendo inclusivamente pagado os impostos relativos aos mesmos dividendos às autoridades holandesas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonangol acusa Isabel dos Santos de ter transferido 38 milhões após exoneração

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião