Galp serve de arma no conflito entre Sonangol e Isabel dos Santos

  • ECO
  • 13 Dezembro 2017

Em causa está o conflito dentro da Esperaza, holding detida pela Sonangol e Isabel dos Santos, que detém uma participação indireta na Galp Energia através da Amorim Energia.

É mais um capítulo no conflito aberto entre a Sonangol e Isabel dos Santos. A empresária angolana fez alterações na administração da Esperaza Holding, empresa que detém uma participação indireta na petrolífera Galp, isto depois de ter tentando a sua dissolução, avança o jornal Expresso (acesso livre) esta quarta-feira.

Do lado da petrolífera angolana, que era até há pouco tempo liderada por Isabel dos Santos, já foi acionada uma providência cautelar para anular esta decisão porque não teve o seu prévio consentimento, adianta o jornal citando fonte do Ministério angolano dos Petróleos e Minas.

“Desde sexta-feira que foram acionados em Portugal todos os mecanismos judiciais para travar mais esta ação e, aqui, o assunto vai ser encaminhado também para a Procuradoria-Geral da República”, garantiu fonte do Governo angolano ao Expresso.

A Esperaza Holding é detida pela Sonangol (55%) e por Isabel dos Santos (45%). A sociedade detém 45% da Amorim Energia, que é dona da 33,34% da Galp.

O episódio vem acentuar o clima de adversidade entre a petrolífera, o Governo angolano e a empresária, depois de o Presidente João Lourenço ter exonerado Isabel dos Santos da presidência da Sonangol há cerca de um mês.

A Sonangol alega que se sente lesada com as decisões de Isabel dos Santos, mas diz que “não precisava nem da Américo Amorim e muito menos de Isabel dos Santos para entrar na Galp. Ao contrário sim, se a Sonangol não tivesse alavancado os fundos necessários, ela nunca teria entrado no negócio” – adverte uma fonte conhecedora do processo, citada pelo Expresso.

Segundo o jornal português, ficam ainda por saldar alguns dividendos que a Sonangol reclama não ter recebido da sua posição na Esperaza Holding.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Galp serve de arma no conflito entre Sonangol e Isabel dos Santos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião