CGD emagrece: 650 trabalhadores vão sair este ano

  • ECO
  • 22 Agosto 2017

O processo de redução de custos da Caixa Geral de Depósitos continua em curso. Paulo Macedo irá dizer adeus a 650 trabalhadores. Faltam mil saídas para atingir meta de 2020.

Aposentações, reformas antecipadas e um programa de rescisões por mútuo acordo vão permitir que Paulo Macedo encolha os custos da CGD. Ao todo, segundo o Jornal de Negócios [acesso pago] desta terça-feira, sairão 650 funcionários ainda este ano. Este é um corte de 8% no número de efetivos da Caixa que, ainda assim, empregará mais de sete mil pessoas.

Fonte oficial da Caixa Geral de Depósitos confirmou ao jornal que haverá “uma redução de efetivo de 536 empregados”, mas admite que será “expectável que, no final do ano, o número seja superior” dado que esse número não conta com os trabalhadores que optem pela rescisão por mútuo acordo. No final de julho eram 100 os funcionários nessa situação.

Contudo, a meta de Bruxelas é mais exigente do que estes cortes que estão em curso. Terão de abandonar o banco público mais mil trabalhadores até que Paulo Macedo consiga ter sob a sua tutela 6.650 funcionários em 2020 — uma exigência das instituições europeias. No que toca aos balcões, a CGD terá de fechar mais de 160 balcões para cumprir a meta.

Há duas semanas, em entrevista ao Expresso, Macedo defendeu que “as pessoas têm de ter consciência de que a Caixa precisa de ser rentável porque tem de gerar capital organicamente para cumprir os requisitos adicionais impostos pelo Banco Central Europeu“. O presidente executivo do banco público assumiu o compromisso de pôr a CGD a remunerar o acionista, o Estado, dado que “todos os portugueses querem que o dinheiro que foi posto na Caixa tenha retorno”.

Comentários ({{ total }})

CGD emagrece: 650 trabalhadores vão sair este ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião