Têxtil quer reforçar imagem nos mercados nórdicos

'Fashion From Portugal' é o nome da campanha de reforço de imagem que a indústria têxtil e vestuário está a apresentar junto dos mercados nórdicos.

A indústria têxtil e vestuário portuguesa, que superou em 2016, os 5.000 milhões de euros de exportações, está a lançar uma campanha de reforço de imagem designada de Fashion From Portugal. A campanha que se destina sobretudo para os mercados nórdicos, vai decorrer até ao final do corrente ano e é cofinanciada pelos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI), enquadrado no POCI (Programa Operacional da Competitividade e Internacionalização), no Portugal 2020 e COMPETE 2020.

“A ATP está a executar um programa de reforço da imagem do têxtil e vestuário português, designada Fashion From Portugal, hoje posicionado superiormente na cadeia de valor (…), tocando quatro mercados estratégicos e que contem ainda um grande potencial de desenvolvimento, entre os quais a Espanha, sendo os restantes a Alemanha, os países nórdicos e os EUA e promovendo preferencialmente três subsetores: as marcas, a moda e o design, o private label —, no sentido lato das competências produtivas e de engenharia do produto –, e o têxtil-lar”, pode ler-se no comunicado da ATP.

A ATP destaca que as ações de coordenação deste programa serão concertadas com feiras e têxteis de moda, em consórcio com a Associação Seletiva Moda, procurando assim amplificar os efeitos da presença comercial de empresas do setor nessas mostras e nesses mercados. Os editorias de moda e publicidade em revistas especializadas, outdoors junto dos recintos das feiras decorrerão as mostras do setor nos mercados selecionados, a par de outras intervenções mais transversais constam também do programa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Têxtil quer reforçar imagem nos mercados nórdicos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião