Portugal recebe em breve mais uma empresa de partilha de carros

  • Lusa
  • 23 Agosto 2017

Em Lisboa, a Drive Now chega através de uma parceria com a Brisa, operadora de infraestruturas rodoviárias.

Uma nova empresa de partilha de carros (‘car-sharing’) começará brevemente a operar em Portugal, no âmbito de um molde que pode anular, pelo menos, a circulação de três veículos privados.

Na cidade alemã de Munique, sede da empresa Drive Now, que junta o construtor BMW e a empresa de aluguer de carros Sixt desde 2011, as vantagens do sistema são enumeradas por Sabine Effner, responsável municipal pela mobilidade. Numa estação de mobilidade, que junta carros e bicicletas partilhados e transportes públicos, a dirigente do município de Munique indicou que tende a haver menos propriedade de veículos, citando um recente estudo de mobilidade.

Numa cidade em crescimento, o espaço é um problema“, resume a responsável, informando que o enquadramento legal do novo modelo deve surgir em setembro. Sebastian Hofelich e Nico Gabriel, responsáveis máximos da Drive Now, justificaram a criação do projeto com alterações sociais e demográficas, nomeadamente a “aceleração de urbanização” e de habitantes em cidades.

As emissões poluentes e a falta de espaços, como os de estacionamento, são outros dos argumentos para explicar o modelo de ‘car-sharing’, que pressupõe alterações de comportamentos e “alterações de necessidades primárias”. “Não substituímos transportes públicos, táxis e bicicletas. Somos um complemento“, garantem os dirigentes da empresa, que, além dos dados de eliminação de viaturas privadas, referem que a partilha de carros também faz diminuir o tempo de condução.

Na caraterização do público-alvo, referiu-se a tendência da média de idade, que se situa nos 34 anos, o elevado grau de educação e a predominância de famílias sem filhos.

Em Lisboa, a Drive Now chega através de uma parceria com a Brisa, operadora de infraestruturas rodoviárias, e aumenta assim a sua presença fora da Alemanha, que já estende pela Finlândia (com franchise com uma instituição financeira), Dinamarca (com franchise com uma empresa de transporte pública), Itália, Bélgica, Áustria, Reino Unido e Suécia.

“Tivemos que provar que era um modelo rentável antes de fazer a expansão internacional em 2014”, comenta Sebastian Hofelich sobre a internacionalização da empresa, que tem, sublinha, como trunfo “disponibilizar carros ‘premium’ (gama superior), que as pessoas gostam de conduzir”, ou seja modelos das marcas BMW e Mini, incluindo descapotáveis e elétricos.

O líder do Centro de Competência da Mobilidade Urbana, Carl-Friedrich Eckhardt, faz eco da necessidade de a mobilidade ser encarada como um negócio, que funciona graças à procura, oferta e condições das cidades para garantir o objetivo de “melhorar a qualidade de vida”.

Os responsáveis máximos da Drive Now notam ainda que deixou de lhes ser colocada a questão sobre como um construtor automóvel aposta na partilha, por o modelo estar a ser conhecido. Mas a justificação continua a ser dada pelos dois CEO: “ou se faz ou se está fora” da mobilidade, que tende a modificar-se, nomeadamente no contexto atual de discussões sobre restrições de circulação e uso de gasóleo.

Escusando-se a revelar dados da operação, a empresa informou apenas contar atualmente com 200 funcionários, dos quais 80 na sede. Apenas para a semana serão revelados pormenores da chegada da Drive Now a Portugal, mas na empresa admite-se já que a capital portuguesa seja o primeiro local em que os turistas poderão ser essenciais.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal recebe em breve mais uma empresa de partilha de carros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião