Está a chegar o voo mais longo do mundo

  • Bloomberg
  • 27 Agosto 2017

Há anos que a Qantas Airways tenta prolongar o tempo de voo para evitar escalas em longo curso. Agora, o objetivo está perto de ser verdade.

Praticamente toda a gente prefere voar sem escalas — principalmente quem viaja a negócios. E é muito provável que estes possam pagar a diferença. Atualmente, porém, nem com todo o dinheiro do mundo podemos ir de Sidney à Big Apple ou ao Reino Unido sem uma escala, porque os aviões comerciais não têm autonomia suficiente de voo.

Mas isso pode mudar em breve. Durante muitos anos, executivos da companhia aérea australiana Qantas Airways procuraram oferecer um voo direto de Sidney e Melbourne a Londres. Agora, com os avanços da tecnologia, finalmente veem o potencial de realizar esse sonho. Dois novos modelos planeados pela Airbus e pela Boeing pretendem fazer a viagem sem escalas até Londres — 20 horas e 20 minutos — saindo de Sidney. Onovo modelo também atravessaria o Oceano Pacífico e chegaria a Nova Iorque em cerca de 18 horas.

Esta sexta-feira, o presidente-executivo da Qantas, Alan Joyce, lançou um “desafio” público às empresas para que ampliem o alcance do novo 777X da Boeing, com lançamento programado para 2020, e da versão de “alcance ultralongo” planeada para o Airbus A350, que será lançado em 2018. A Qantas espera receber um avião desse tipo e começar o serviço de Sidney a Londres em 2022, afirmou a empresa como parte de seus resultados de receita no ano cheio.

A Qantas afirmou que os dois aviões “podem chegar perto” dos requisitos necessários para os voos a Londres e Nova Iorque. O objetivo do estímulo público é levar uma das fabricantes, ou ambas, a reverem os esquemas técnicos para ampliarem ainda mais a distância coberta.

Um voo direto de Sidney a Londres reduziria quase quatro horas dos tempos das viagens atuais, que têm uma escala; para Nova Iorque, os passageiros poderiam economizar quase três horas. A Airbus, numa declaração enviada por email, afirmou estar à altura do desafio.

“O A350-900 ULR estará em operação no ano que vem para voos ultralongos de até 20 horas”, afirmou a empresa. “Esperamos ansiosamente trabalhar com a Qantas para ver como podemos atender aos requisitos para voos sem escalas entre Sidney e Londres.”

A Boeing não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários enviados por email.

Os voos de longo alcance tornaram-se muito mais comuns nos últimos anos, à medida que as aeronaves de composição mais leve, combinadas com a tecnologia de turbinas a jato mais duráveis e com um uso mais eficiente de combustível, abriram uma série de rotas novas com modelos de longa distância da Airbus e da Boeing. “Sabe-se, com base no que eles fizeram com outras aeronaves, que as rotas Sidney-Londres e Melbourne-Londres têm possibilidades reais”, disse Joyce ao jornal The Sydney Morning Herald em abril.

No início deste ano, a Qantas afirmou que passaria a oferecer voos diretos de Perth a Londres em março de 2018, usando um Boeing 787-9.

A Qantas lançou seu primeiro voo da chamada “Rota do Canguru”, de Sidney a Londres, em dezembro de 1947, com um avião Lockheed Constellation. A viagem demorou quatro dias. Dentro de alguns anos, a operadora cujo logótipo tem um canguru espera fazer esse trajeto em pouco mais de 20 horas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Está a chegar o voo mais longo do mundo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião