Governo promete alívio fiscal no Orçamento para 1,6 milhões de agregados

  • Lusa
  • 29 Agosto 2017

O número de beneficiados com as alterações do OE2018 foi avançado pelo secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares. "Estamos a falar de alguma coisa com significado", assinala Pedro Nuno Santos.

O Governo retificou esta terça-feira que o alívio fiscal no Orçamento do Estado para 2018 (OE2018) vai beneficiar 1,6 milhões de agregados e não 3,6 milhões. Fonte do gabinete do secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares esclareceu à agência Lusa que, por lapso, Pedro Nuno Santos tinha avançado que seriam 3,6 milhões de agregados os abrangidos pelo desagravamento, sendo afinal 1,6 milhões os agregados beneficiados pelo alívio fiscal no OE2018.

Haverá um alívio fiscal para os trabalhadores e estamos a falar de 1,6 milhões de agregados que serão beneficiados com este alívio fiscal, estamos a falar de alguma coisa com significado. Agora tem de ser feito com a necessária responsabilidade que proteja e defenda o próprio orçamento e a medida”, revelou Pedro Nuno Santos em entrevista à agência Lusa – que será divulgada na íntegra na quarta-feira – a propósito das negociações do OE2018 com os partidos que apoiam parlamentarmente o executivo socialista.

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares não quis, no entanto, avançar os detalhes da medida “do ponto de vista técnico e concreto”, uma vez que o Governo ainda está a trabalhar nessa matéria.

“O Orçamento do Estado terá que ser entregue até meados de outubro. Nós estamos num processo de trabalho dentro do Governo e com os nossos parceiros. Teremos que ter alguma paciência porque há um trabalho apurado que está a ser feito”, justificou.

A intenção do Governo é, segundo Pedro Nuno Santos, que “esta alteração chegue a muita gente, nomeadamente àqueles que foram mais sobrecarregados, a classe média e a classe média/baixa”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo promete alívio fiscal no Orçamento para 1,6 milhões de agregados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião