BRANDS' ADVOCATUS Euribor negativa e crédito hipotecário

  • ECO + MLGTS
  • 30 Agosto 2017

Com o BCE a atirar os juros para mínimos históricos, as Euribor passaram para terreno negativo. Uma nova realidade que deu origem a vários casos judiciais e a alterações legislativas em vários países.

Os efeitos da Euribor negativa nos contratos de crédito bancário, em particular nos créditos hipotecários, deram origem a vários casos judiciais e a alterações legislativas em diversos países europeus. Uma das discussões geradas nos últimos anos diz respeito à validade de cláusulas de limite mínimo da taxa de juro, também conhecidas por clausulas suelo ou floor.

Em Espanha, a orientação dos tribunais superiores é no sentido de exigir informação e/ou esclarecimentos ao cliente, sob pena de nulidade das cláusulas. A tendência espanhola coloca, portanto, a questão da validade das clausulas suelo no plano da transparência e do cumprimento de deveres de informação.

Na Áustria, o cenário é diferente. Num dos casos judiciais mais conhecidos, estava em causa um litígio sobre uma cláusula de um contrato de crédito que determinava que, no caso de indexante negativo, o limite seria zero para efeitos de determinação da taxa. De acordo com o entendimento do Supremo Tribunal austríaco, a limitação de zero seria contrária à lei, porque criaria um desequilíbrio no contrato, fixando um mínimo, mas não um máximo, quanto à taxa de juro.

E em Portugal? À luz dos dados europeus, a pergunta que se coloca é, portanto, a de saber se o direito bancário português deve, perante questões como estas, seguir uma linha de informação ao cliente ou uma linha mais dura de proibição de cláusulas.

Perante a lei em vigor parece-nos que a validade das cláusulas de limitação da taxa deve aferir-se sobretudo através de um controlo de transparência, de modo a assegurar a necessária liberdade na contratação. Deve procurar-se que o mutuário, devidamente informado, possa compreender o alcance da cláusula no custo real e global do crédito que contrata.

A partir de janeiro de 2018, com a entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 74-A/2017, de 23 de junho de 2017, que procede à transposição parcial da Diretiva n.º 2014/17/UE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 4 de fevereiro de 2014, relativa aos contratos de crédito a celebrar com os consumidores para aquisição de imóveis destinados à habitação, haverá um novo argumento neste sentido.

Com efeito, na parte II do anexo do diploma são descritas as instruções de preenchimento da Ficha de Informação Normalizada Europeia e, nesta sede, refere-se que a secção 3, relativa às principais características do empréstimo, “deve especificar se a taxa nominal é fixa ou variável e, se aplicável, o período ou períodos durante os quais permanecerá fixa a periodicidade das revisões subsequentes e a existência de limites à variação da TAN, tais como os limites máximos (caps) ou mínimos (floors)”.

Claro que os bancos terão de cumprir deveres de informação e esclarecimento dos clientes, mas a hipótese de utilização de cláusulas de limitação da taxa de juro não fica excluída. Entre um modelo de correção e um modelo de informação, o sentido da lei portuguesa vigente parece implicar uma escolha por este último.

Artigo desenvolvido por: Professora Doutora Catarina Monteiro Pires

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Euribor negativa e crédito hipotecário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião