Trás-os-Montes e Alto Douro e as barragens graníticas

  • Filipe S. Fernandes
  • 30 Agosto 2017

Portugal foi, em 2015, o quarto país da União Europeia com maior incorporação de energias renováveis na produção de energia elétrica.

Até 2017, a espanhola Iberdrola já investiu mais de 500 milhões de euros no projeto hídrico do Tâmega. No total, a elétrica espanhola pretende investir mais de 1.500 milhões de euros até 2023 para construir três centrais hidroelétricas: Daivões, Gouvães e Alto Tâmega. Estas barragens fazem parte do plano lançado por José Sócrates em 2007. Depois de anos de impasse, o projeto arrancou definitivamente em 2014. O projeto prevê a criação de 13.500 postos de trabalho diretos e indiretos.

Na zona duriense existem, no rio Douro, as barragens de Bemposta, Miranda, Picote, Bagaúste – Régua, Valeira e do Pocinho. Em afluentes foram construídas barragens, sendo o primeiro aproveitamento hidroelétrico no rio Varosa em 1934, depois o de Vilar no rio Távora, e o do Torrão no rio Tâmega. Em março de 2017, entrou em funcionamento a central de Foz Tua. A bacia hidrográfica do rio Douro, no ano móvel de 2017, foi responsável por 49.5% da produção hídrica em Portugal.

Em termos hídricos, existem ainda na região do Alto Tâmega as barragens do Alto Rabagão, Frades, Paradela, Salamonde e Venda Nova, com uma potência instalada que ultrapassa os 445 megawatts. A sociedade Empreendimentos Hidroelétricos do Alto Tâmega e Barroso (EHATB) foi constituída em julho de 1989 pelas seis câmaras municipais que hoje constituem a CIM AT, com o objetivo de desenvolver atividades que tivessem por fim o aproveitamento de recursos naturais na Região do Alto Tâmega, designadamente a produção de energia com origem em recursos renováveis (em particular parques eólicos e aproveitamentos hidroelétricos).

A região do Douro e do Alto Tâmega tem, pelas suas características territoriais, excelentes condições para a promoção da energia eólica, atendendo, sobretudo, à média anual do vento, à orografia do território, tendo cerca de 50 projetos implantados.

Portugal foi, em 2015, o quarto país da União Europeia com maior incorporação de energias renováveis na produção de energia elétrica. Esta posição deve-se ao contributo das fontes hídrica e eólica (84% das FER). Os distritos de Viseu, Bragança e Vila Real representam grande parte desta produção de energia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trás-os-Montes e Alto Douro e as barragens graníticas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião