Como o projeto londrino TĀ TĀ Eatery chegou a Portugal

Conceito de cozinha europeia e chinesa chegou a Portugal: os fundadores Ana e Meng estão em Lisboa a 1 e 2 de setembro para cozinhar e dar a provar os pratos a 50 pessoas cada noite.

Chegou a Portugal o TĀ TĀ Eatery. A ideia do casal de chefs Ana Gonçalves e Zijun Meng acaba de chegar a Lisboa e prepara-se para tomar de assalto a cozinha do Café Garrett, dentro do Teatro D. Maria II.

A portuguesa Ana Gonçalves e o chinês Zijun Meng conheceram-se em 2009 quando ambos começaram a carreira com o chef português Nuno Mendes, no seu The Loft Project, em Londres. Entretanto, e depois de passarem também pelos projetos Viajante e Chiltern Firehouse, decidiram abrir o próprio restaurante, o TĀ TĀ Eatery, onde criam pratos que harmonizam ingredientes europeus com uma atitude asiática, comida disruptiva servida numa tigela de arroz.

Meng e Ana conheceram-se em Londres no restaurante do chef português Nuno Mendes.

“Cozinhar nunca foi um plano para nós — eu era designer gráfica com ‘o bichinho da cozinha’ e o Meng tinha estudado artes em Falmouth. Ambos fomos parar à cozinha na inauguração do restaurante com estrela Michelin Viajante e durante cinco anos, sob as ordens do Nuno Mendes, trabalhámos juntos. Sete anos depois, decidimos ter um projeto juntos”, conta Ana, em entrevista ao ECO.

 

 

O modelo “cozinhar noutras cidades

“Em 2015, a nossa ambição e paixão pelo arroz era tão profunda que decidimos construir o nosso primeiro projeto, TĀ TĀ Eatery, e ir experimentando e desenvolvendo formas de cozinhar inovadoras”. O projeto começou no Druid St Market como um ponto de venda de street food mas, à medida que os seus ricewichs e as rice bowls ganhavam popularidade, a dupla de chefs foi convidada para vários projetos pop up e, por fim, no verão de 2016, para uma residência no Curio Cabal, uma coffee shop em Haggerston, Londres.

Quase a terminar a residência no restaurante londrino, a dupla de chefs decidiu adotar o conceito “cozinhar noutras cidades” que, “além de ser uma ótima oportunidade de networking permite a nós, chefs, trabalhar com diferentes produtos e públicos”, explicam.

"Aproveitámos a oportunidade de transformámos o café num restaurante com 30 lugares, que funcionava de quarta a domingo. O que virá a seguir? Quem sabe?”

Ana Gonçalves

Chef

“Vamos trazer para Lisboa alguns pratos de assinatura e queremos trabalhar com vários produtos portugueses. Na verdade, a ideia é usar o máximo de produtos portugueses nos pratos. Queremos mostrar do que é que este mix chino-português é capaz”.

Acompanhe o projeto aqui. Os lugares podem ser garantidos aqui: ainda há disponíveis para o jantar de sábado.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Como o projeto londrino TĀ TĀ Eatery chegou a Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião