Fórum para a Competitividade: crescimento do PIB não é sustentável

Sem reformas estruturais, crescimento do PIB não é sustentável. Quem o diz é o Fórum para a Competitividade na nota de conjuntura referente ao mês de agosto.

A revisão em alta do crescimento do PIB de 2,8% para 2,9% não deixa muito tranquilo o Fórum da Competitividade, de acordo com a análise daquele organismo referente ao mês de agosto. Mais: a equipa de economistas liderada por Pedro Ferraz da Costa diz que estes dados do PIB não são sustentáveis sem que se introduzam as reformas estruturais.

“O problema principal com estes do PIB é que não são sustentáveis sem que se introduzam as reformas estruturais de que o país carece”, pode ler-se na nota.

Ainda sobre a revisão em alta do crescimento do PIB, divulgada esta semana pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), o Fórum adianta: “O PIB do 2.º trimestre foi revisto em alta ligeira, de 2,8% para 2,9%, embora a sua composição não seja inteiramente tranquilizadora. O crescimento em cadeia desacelerou fortemente, de 1,0% para 0,3%, com queda das exportações e consumo privado, compensada pela subida do investimento”.

O Fórum considera mesmo que “a maior parte da subida deste agregado deve-se a uma subida no stock de existências, cujo significado é incerto: tanto pode ser fruto de fortes expectativas de vendas futuras, como erro na previsão de vendas passadas”.

A equipa de economistas liderada por Pedro Ferraz da Costa diz ainda que, com o crescimento de emprego (3,5%), “o PIB deveria estar a crescer claramente acima dos 4%”.

O facto de o PIB continuar a crescer abaixo do emprego significa que os empregos que estão a ser criados têm uma produtividade abaixo da média, sublinha. Quanto ao crescimento do PIB para 2017, o Fórum antevê que este se cifre “por um crescimeno entre 2,3% e 2,6% arrefecendo ainda mais em 2018”.

 

Comentários ({{ total }})

Fórum para a Competitividade: crescimento do PIB não é sustentável

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião