FT: Portugal tem três escolas no top mundial dos mestrados em gestão

Entre os 95 melhores mestrados em gestão do mundo, há três programas portugueses: Universidade Nova, Católica e ISCTE. Ranking é do Financial Times. Nova ocupa a melhor posição: 17º lugar.

Portugal coloca três programas de mestrado em gestão entre os melhores do mundo, segundo o ranking do Financial Times Global Masters In Management 2017 (acesso pago), que elege os melhores 95 mestrados do mundo. As escolas portuguesas são a Nova SBE, a Católica Lisbon e a ISCTE Business School. E a Católica Lisbon aparece mesmo em terceiro lugar a nível mundial no que respeita à evolução do percurso profissional.

O mestrado em gestão da Nova School Business and Economics, intitulado “International Masters in Management” é o melhor classificado, aparecendo no 17.º lugar, posição que já ocupava o ano passado. Manté-se assim no top 20.

Daniel Traça, Dean da Nova SBE, adianta que “estes resultados confirmam a estratégia de excelência e internacionalização da escola”. “Continuaremos focados na nossa missão de inspirar os alunos a desenvolverem o seu talento e encontrar o propósito de se tornarem os changemakers de amanhã”, acrescenta, num comunicado enviado às redações.

O Master in Management da Católica-Lisbon surge na 38.ª posição, ex quo com a Copenhagen Business School, da Dinamarca. A Católica sobe 14 lugares no ranking face ao ano passado e alcança a melhor posição de sempre.

O ranking é feito a partir de 17 indicadores que avaliam, a qualidade da escola e do mestrado em três dimensões, nomeadamente ao nível do progresso de carreira dos graduados, da diversidade da escola e da experiência e investigação internacional. E no que toca à evolução do percurso profissional, a Católica-Lisbon surge como a terceira melhor escola do mundo, e a segunda da Europa. O critério intitulado career progress considera a evolução do percurso profissional entre a conclusão do mestrado e os três anos seguintes.

“É com grande satisfação que vemos que os nossos programas atraem cada vez mais estudantes talentosos, reconhecidos internacionalmente pelo mercado”, diz Guilherme Almeida e Brito, Acting-Dean da Católica-Lisbon. “Orgulhamo-nos de contribuir para a sua preparação e de servir como rampa de lançamento para um futuro profissional brilhante”, acrescenta. Para o Acting-Dean da Católica-Lisbon, a instituição irá continuar com o compromisso de “contribuir para uma formação de topo em Portugal e no estrangeiro”.

Já o ISCTE Business School faz a sua estreia neste ranking, entrando para o 84.º lugar com o programa “Msc in Business Administration”.

Para José Paulo Esperança, Dean da ISCTE Business School, “esta classificação é extremamente valiosa porque melhora a visibilidade internacional e vem reconhecer o trabalho desenvolvido pela escola desde a sua fundação”. José Paulo Esperança reforça o facto de “esta classificação apenas ser possível devido à obtenção de uma das principais acreditações académicas internacionais no ano passado — a AACSB”.

O top do ranking do Financial Times não mexe há três anos consecutivos. Na primeira posição surge a University of St Gallen, na Suíça, seguida pela HEC de Paris. Já a terceira posição pertence a Espanha, com a IE Business School, que em 2016, ocupava o sétimo lugar.

De resto, é preciso descer até à 21.ª posição para encontrar uma escola fora da Europa, o que acontece com a Indian Institute of Management Ahmedabad, da Índia. Portugal é o sexto país com mais escolas de gestão contempladas no ranking.

O Financial Times realiza ao longo do ano cinco rankings para diferentes áreas, e no final do ano define as melhores Business Schools.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FT: Portugal tem três escolas no top mundial dos mestrados em gestão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião