Patris pode regressar à corrida na venda do Banco Efisa

  • ECO
  • 13 Setembro 2017

A boutique financeira perdeu o concurso em 2015, mas diz estar disponível para voltar a analisar a compra do Banco Efisa. Governo já deu o 'ok' à Parparticipadas para tentar novamente alienar o banco.

O Governo reabriu o processo de privatização do Banco Efisa. E a Patris, que perdeu o concurso há dois anos, pode voltar a analisar esta operação. Isto depois de a venda do banco à Pivot, empresa detida pela Aethel Partners e Miguel Relvas, ter falhado em abril.

“A Patris está interessada no Efisa desde 2011. Não foi ainda contactada, mas, quando for, irá analisar e logo se decide se mantém ou não o interesse“, afirma a boutique financeira ao Jornal de Negócios (acesso pago). A Patris, que ficou com vários ativos do BPN, como foi o caso da corretora Fincor e a seguradora Real Vida, não adiantou mais detalhes.

Como noticiou o Jornal Económico, o secretário de Estado Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, deu luz verde à Parparticipadas para tentar novamente alienar a instituição financeira. Uma informação confirmada pelo presidente da Parvalorem, Bruno Castro Henrique. O Estado vendeu o banco Efisa à Pivot, mas o processo estava pendente da aprovação do Banco Central Europeu (BCE). Ora, o prazo para a conclusão desta aprovação chegou ao fim sem que o BCE se tenha pronunciado e a venda falhou.

Em abril, a CMVM explicou que “a caducidade do contrato resultou de ter terminado o prazo, contratualmente previsto, para a verificação da condição de não oposição do BCE à transação”.

A Pivot, detida por Ricardo Santos Silva e Aba Schubert, e que conta com Miguel Relvas como acionista, ia pagar cerca de 38 milhões de euros à entidade pública pelo antigo banco de investimento do BPN. A empresa tem ainda como um dos seus grandes acionistas a Aethel, que chegou a apresentar ao Governo uma carta de intenções para comprar o Novo Banco.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Patris pode regressar à corrida na venda do Banco Efisa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião