Furacão Irma provoca pelo menos 12 mortos na Florida

  • Lusa
  • 13 Setembro 2017

Número definitivo de vítimas naquele estado ainda pode aumentar. Furacão mais forte de sempre no Atlântico originou ainda três mortes no estado da Geórgia, quatro na Carolina do Sul e 37 nas Caraíbas.

Pelo menos 12 pessoas morreram no estado norte-americano da Florida devido à passagem do furacão Irma pela zona nos últimos dias, elevando o número de vítimas para 19 no país, informou esta quarta-feira o gabinete do governador Rick Scott.

Os últimos números divulgados pelos meios locais na Florida davam conta de sete mortos, e que não figuram na lista de 12 pessoas facilitada pelo gabinete do governador, pelo que o número definitivo de vítimas naquele estado ainda pode aumentar.

Destes 12 casos mortais relacionados com o Irma, seis deveram-se a acidentes rodoviários devido ao mau tempo, quatro pessoas morreram enquanto se preparavam para a chegada do furacão, um eletrocutado e o último de um ataque de coração enquanto tentava ligar um gerador elétrico, descreve a agência noticiosa Efe.

Estas mortes somam-se às três confirmadas no estado da Geórgia, às quatro na Carolina do Sul e às 37 nas Caraíbas, onde o Irma chegou a alcançar a categoria cinco, a máxima da escala Saffir Simpson.

O Irma, qualificado pela Organização Mundial de Meteorologia como o furacão mais forte de sempre no Atlântico, voltou a enfraquecer nas últimas horas e está agora classificado como depressão tropical, avançando na direção noroeste.

Cerca de 6,2 milhões de residentes na Florida continuam sem eletricidade.

Em muitas ilhas das Caraíbas, milhares de pessoas continuam igualmente sem eletricidade e, no caso da ilha franco holandesa de São Martinho (Saint Martin/Sint Maarten), também sem água corrente.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Furacão Irma provoca pelo menos 12 mortos na Florida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião