Riopele junta-se a têxtil indiana e aposta no low cost

A joint-venture, que será criada oficialmente em setembro de 2018, deverá faturar entre 40 a 50 milhões de euros no final de 2021. Nova empresa vai atuar numa linha low cost.

A sede da Riopele, em Pousada de Saramagos, em Famalicão.

A Riopele, uma das empresas de referência do setor têxtil a nível nacional, está a negociar uma ‘joint-venture’ com um grupo indiano. O objetivo é que a parceria avance em setembro de 2018 e que, no final de 2021/2022 esteja a faturar entre 40 a 50 milhões de euros, avançou José Alexandre Oliveira, presidente da Riopele, ao ECO.

“Temos com este grupo indiano um namoro antigo, uma vez que já são nossos parceiros há quatro anos, e agora estamos a ultimar os pormenores para avançar para um ‘casamento’ mais sólido”, explica. José Alexandre Oliveira não adianta, contudo, o nome do parceiro indiano, “uma vez que eles são cotados em bolsa e portanto não podemos adiantar mais pormenores”.

A Riopele está presente no mercado da Índia há cerca de seis anos, tendo mesmo uma empresa na cidade de Jaipur e, à partida, será essa empresa local a estabelecer a parceria com o grupo têxtil indiano.

“Temos vindo a trabalhar com essa empresa indiana, mais a nível comercial e agora daremos o passo que faltava para cimentar a parceria”, diz José Alexandre Oliveira. E acrescenta: “A empresa terá um período de crescimento, mas não vejo razão para que, passados cinco anos, não esteja a faturar facilmente 40 a 50 milhões de euros”.

A empresa terá um período de crescimento mas não vejo razão para que, passados cinco anos, não esteja a faturar facilmente 40 a 50 milhões de euros.

José Alexandre Oliveira

Presidente da Riopele

O parceiro indiano estará em Vila Nova de Famalicão, na sede da Riopele, no próximo dia 3 de outubro, altura em que será fechado o plano para os primeiros cinco anos de atividade da futura empresa. Já a repartição de capital, não é ainda certa. José Alexandre Oliveira diz que “é preciso analisar a lei indiana, mas à partida não seremos maioritários, mas também não me parece que isso seja o mais importante numa sociedade, o que é preciso é ter as pessoas certas”.

O grupo indiano tem uma dimensão muito semelhante à Riopele, cujo volume de faturação atingiu, em 2016, os 70,1 milhões de euros. Apesar de adiantar que o nome da nova empresa não está ainda definido, José Alexandre refere: “Seguramente Riopele fará parte do nome”.

Em que mercados vai atuar a “joint-venture”?

O presidente da têxtil nacional não tem dúvidas. A empresa de capitais portugueses e indianos vai atuar “mais ou menos para os mesmos mercados para onde a Riopele exporta, mas numa linha mais baixa. No fundo, a ideia para criar esta ‘joint-venture’ é mais para não deixar fugir os nossos clientes para quem, por uma razão ou outra, não temos produto ou não temos preços. Trata-se de uma linha mais low cost“.

Para o presidente da têxtil, “há produtos na Riopele e, em vez de os estarmos a produzir aqui na empresa e a perder dinheiro, passamos a produzi-los a partir da Índia”. José Alexandre Oliveira garante que o plano “em nada interfere com a nossa atividade em Portugal. A Riopele irá continuar a trabalhar e a exportar para os mesmos mercados em que hoje está presente”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Riopele junta-se a têxtil indiana e aposta no low cost

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião