S&P diz que Portugal é o campeão das exportações

Agência que tirou a dívida nacional de “lixo” diz que Portugal ultrapassou países fortes como a Alemanha, Espanha e Irlanda no ganho de quota de mercado nas exportações. Peso no PIB vai chegar a 44%.

Foi uma notícia inesperada a marcar o final da semana. Quando se esperava que a agência de notação financeira melhorasse apenas o ‘outlook’ da dívida portuguesa, eis que a Standard & Poor’s resolveu melhorar o rating, retirando pela primeira vez desde 2012 a classificação da dívida portuguesa da categoria de “lixo”.

O relatório deixa muitos elogios a Portugal e previsões otimistas para a economia. É o caso do crescimento económico que a S&P prevê que possa acelerar a um ritmo de 2,8% este ano face aos 1,4% de 2016. Para o próximo ano haverá uma desaceleração ligeira, para 2,3%, e a agência norte-americana prevê que a até ao final da década o PIB mantenha um ritmo de crescimento médio anual de 2,2%.

A puxar pela economia vai continuar o turismo e as exportações que merecem rasgados elogios por parte dos analistas da instituição financeira. A S&P afirma que “o desemprenho das exportações tem ultrapassado os pares regionais”, e calcula que desde 2007 o ritmo de ganho de quota de mercado do país “ultrapassou o de outros países igualmente fortes nas exportações, como é o caso da Alemanha, Espanha ou Irlanda”.

A agência prevê que este desempenho continue no futuro, e estima que “a recuperação da zona euro e de outras áreas [para onde Portugal exporta] vão dar suporte ao crescimento económico”.

Este impulso das exportações “vai compensar o impacto da subida prevista no preço do petróleo e nas taxas de juro”, o que irá ajudar a melhorar a balança corrente e a reduzir o elevado endividamento externo.

A S&P antevê ainda “um desempenho sólido das vendas para o exterior em 2017, o que deverá elevar o peso das exportações de bens e serviços no PIB para cerca de 44%”, valor que compara com a fasquia de 29% registada há apenas sete anos.

Nuvens no horizonte das exportações poderão surgir, segundo a Standard & Poor’s, de uma quebra da procura externa — provocada, por exemplo, pelo processo do Brexit, — de um cenário de maior protecionismo a nível mundial ou de uma apreciação do euro face às moedas dos países para os quais Portugal exporta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

S&P diz que Portugal é o campeão das exportações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião