Subida de ‘rating’ só foi possível porque se fez o contrário do que diziam as agências

  • Lusa
  • 15 Setembro 2017

Catarina Martins considerou que foi precisamente por se ter "feito o contrário do que as agências de rating" aconselhavam que se conseguiram os resultados que permitiram que Portugal saísse do "lixo".

“Há um reconhecimento da melhoria da economia portuguesa e é um alívio sobre a dívida pública portuguesa. E tudo o que for uma boa notícia para o país, ainda bem”, começou por afirmar a líder bloquista aos jornalistas durante uma ação de pré-campanha nas Festas da Moita, a propósito da decisão da subida do ‘rating’ de Portugal por parte da Standard and Poor’s (S&P).

No entanto, segundo Catarina Martins, esta melhoria só foi possível por se ter “feito o contrário do que as agências de rating diziam”, ou seja, promover melhores salários, melhores pensões, parar privatizações e proteger serviços públicos.

“Se há algo a retirar desta decisão é que realmente as agências de rating sabem pouco do que dizem e o que se provou é que é o caminho que faz melhorar a vida das pessoas que melhora as condições do país”, defendeu.

Para a líder do BE “é inegável” que o que a direita, FMI, Comissão Europeia e as agências de rating vaticinavam, ou seja, “que a economia portuguesa ficaria melhor se fossem cortados salários, pensões e serviços públicos, prova-se que as próprias agências de rating reconhecem que estavam erradas”.

“Porque foi quando acabámos com os cortes nos salários e nas pensões, foi com o aumento do salário mínimo nacional, foi com o fim das privatizações, com a proteção dos serviços públicos que a economia começou a crescer e levou as próprias agências de rating a rever a sua posição”, justificou.

Catarina Martins desvalorizou a posição assumida esta noite pelo líder do PSD, que considerou que se não tivesse havido uma alteração de governo, “muito provavelmente essa melhoria teria ocorrido mais rapidamente”.

“Passos Coelho também dizia que era preciso cortar 600 milhões de euros todos os anos das pensões para que o rating mudasse. Fizemos o oposto disso e ainda bem”, referiu apenas.

Segundo a coordenadora bloquista, é preciso “tirar consequências” destes passos, sendo evidente aquele que o BE quer seguir: “tendo um caminho que protege mais as pessoas, é seguramente o caminho para um crescimento económico que seja sustentado”.

A agência de notação financeira Standard and Poor’s (S&P) tirou hoje Portugal do ‘lixo’, revendo em alta o ‘rating’ atribuído à dívida soberana portuguesa de ‘BB+’ para ‘BBB-‘, um primeiro nível de investimento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Subida de ‘rating’ só foi possível porque se fez o contrário do que diziam as agências

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião