Bloco salienta que qualquer mexida no IRS tem efeito em todos os escalões

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 18 Setembro 2017

Catarina Martins defende baixa de IRS "significativa" mas entende que, a existir alívio fiscal, deve ser concentrado nos escalões mais penalizados.

O Bloco de Esquerda ressalva que qualquer mexida no IRS tem um “efeito positivo” sobre todos os rendimentos mas diz que este esforço tem de se concentrar nos escalões mais penalizados pelo aumento de impostos levado a cabo pelo Governo anterior.

“Qualquer mexida no IRS tem um efeito positivo sobre todos os rendimentos. O que nós achamos é que era bom tomarmos duas decisões: primeiro que houvesse uma baixa de IRS que fosse significativa e não uma medida que fosse apenas simbólica, ou seja, que depois não se reproduzisse nos rendimentos das pessoas, em mais salários, em mais pensão para todos os que vivem do seu trabalho”, defendeu Catarina Martins em declarações transmitidas pela RTP3. “Em segundo lugar, achamos que, havendo um alívio do IRS, ele se deve concentrar nos escalões que foram mais penalizados pelo gigantesco aumento de impostos que fez Vítor Gaspar”, acrescentou.

A líder bloquista entende que “é possível aumentar o limiar de subsistência” — ou seja, o limite até ao qual não há pagamento de imposto — e ainda “criar dois novos escalões, dividindo ao meio o segundo e o terceiro escalões” de IRS. Desta forma, consegue-se “um alívio de impostos para todos os que vivem do seu trabalho, concentrado naqueles escalões que foram mais penalizados pelo aumento de impostos”, disse.

O CDS-PP já defendeu a baixa de IRS em todos os escalões e esta segunda-feira Assunção Cristas admitiu viabilizar a medida. Isto depois de o ministro das Finanças, Mário Centeno, ter dito, em entrevista à RTP, que “todos os escalões do IRS vão ter um desagravamento fiscal no próximo ano”,

Bloco preocupado com o peso da dívida pública

Também hoje, Catarina Martins garantiu que o Bloco está dedicado a “questões orçamentais”. “O Bloco de Esquerda tem uma preocupação grande com o peso da dívida pública portuguesa e do endividamento externo do país, temos dito que isso precisa de passos mais ousados, mais ambiciosos, a própria relação que temos com o sistema financeiro, com os credores do nosso país”, afirmou Catarina Martins.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bloco salienta que qualquer mexida no IRS tem efeito em todos os escalões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião