Já se vota nas autárquicas. Voto antecipado termina dia 26

  • Lusa
  • 21 Setembro 2017

O período de votação antecipada nas eleições autárquicas para militares, bombeiros e trabalhadores arranca hoje. Termina na terça-feira.

O período de votação antecipada nas eleições autárquicas para militares, bombeiros e trabalhadores abrangidos pela lei que não possam ir votar presencialmente a 1 de outubro decorre entre hoje e terça-feira.

Também hoje termina o prazo de votação antecipada para estudantes, presos e doentes hospitalizados que requereram voto antecipado ao presidente da Câmara da área de recenseamento.

Entre hoje e terça-feira podem votar antecipadamente os militares, agentes de forças e serviços de segurança interna, os bombeiros e os agentes da proteção civil que no dia da eleição estejam impedidos de se deslocar à assembleia de voto por imperativo inadiável de exercício das suas funções no país ou no estrangeiro.

Os membros de delegações oficiais do Estado que, por deslocação ao estrangeiro em representação do país, se encontrem impedidos de se deslocar à assembleia de voto no dia da eleição e os representantes de seleções nacionais organizadas por federações desportivas que se encontrem no estrangeiro oficialmente em competições no dia da eleição também podem votar antecipadamente a partir de hoje.

A lei prevê ainda que os trabalhadores marítimos e aeronáuticos, bem como ferroviários e rodoviários de longo curso que, presumivelmente, se encontrem no dia da eleição no estrangeiro podem também votar até terça-feira, assim como os eleitores que, por imperativo das suas funções profissionais, como a representação de um sindicato ou de uma misericórdia ou instituto público, não possam votar no dia 01 de outubro presencialmente.

Para votar, nestes casos, os eleitores têm de se dirigir entre hoje e terça-feira ao presidente da câmara da área de recenseamento respetiva com um comprovativo do impedimento, como um documento assinado pelo seu superior hierárquico ou pela entidade patronal.

Os estudantes inscritos em instituições de ensino situados em distrito, região autónoma ou ilha diferentes daqueles por onde se encontram inscritos no recenseamento eleitoral, os reclusos não privados de direitos políticos e os doentes internados e presumivelmente impossibilitados de se deslocarem a votar têm até hoje para o fazer, caso tenham pedido voto antecipado até ao vigésimo dia anterior ao da eleição.

No caso dos estudantes que requereram voto antecipado têm de o fazer em frente ao presidente da Câmara. Quanto aos reclusos e aos doentes hospitalizados, será um representante da autarquia a deslocar-se à prisão ou ao hospital para recolher os votos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Já se vota nas autárquicas. Voto antecipado termina dia 26

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião