Teresa Leal Coelho defende que obras em Lisboa devem garantir mais estacionamento

  • Lusa
  • 21 Setembro 2017

Teresa Leal Coelho diz que “é preciso é que as obras garantam aquilo que os cidadãos precisam”. Os "cidadãos precisam de estacionamento em Lisboa".

A candidata do PSD à presidência da Câmara de Lisboa, Teresa Leal Coelho, defendeu que as obras na cidade devem garantir “aquilo que os cidadãos precisam”, que na sua opinião passa por mais estacionamento.

Numa ação de campanha que decorreu na freguesia do Lumiar, Teresa Leal Coelho disse aos jornalistas que “é preciso é que as obras garantam aquilo que os cidadãos precisam”.

“E os cidadãos precisam de estacionamento em Lisboa. E aquilo que tem acontecido com estas obras é retirar estacionamento em Lisboa. E por outro lado há obras que são feitas em simultâneo e o facto de serem feitas em simultâneo também prejudica o quotidiano das pessoas”, apontou.

Na sua opinião, muitas destas intervenções justificam-se com as eleições autárquicas. “Não tenho dúvida nenhuma sobre isso, porque foram lançadas há pouco tempo muitas delas”, acrescentou.

"E os cidadãos precisam de estacionamento em Lisboa. E aquilo que tem acontecido com estas obras é retirar estacionamento em Lisboa. E por outro lado há obras que são feitas em simultâneo e o facto de serem feitas em simultâneo também prejudica o quotidiano das pessoas.”

Teresa Leal Coelho

Candidata do PSD à Câmara de Lisboa

Falando aos jornalistas perto da sede da Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL), a candidata social-democrata considerou que a freguesia do Lumiar “sofre também com o estacionamento”.

“A EMEL não está ainda nesta zona, mas vai vir e as pessoas já sentem enorme dificuldade em estacionar o carro quando vêm”, elencou.

Teresa Leal Coelho afirmou também que os lisboetas e residentes na capital “têm toda a razão por estarem cansados, por estarem fartos de tanto trânsito, de tanta dificuldade para estacionar o carro em Lisboa”.

Por isso, apontou, “é preciso não retirar lugares de estacionamento” nem “é preciso fazer guerra ao carro”.

“Nós achamos que as pessoas devem circular na cidade de Lisboa como bem entenderem, de automóvel ou de transportes públicos”, referiu.

Assim, acrescentou, é preciso que a cidade esteja dotada de “parques dissuasores à entrada da cidade”, “transportes públicos de qualidade e estacionamento”, seja em silos, estacionamento subterrâneo, ou à superfície.

A candidata percorreu a Alameda das Linhas de Torres, onde cumprimentou alguns transeuntes de várias idades. Apesar de alguns já a conhecerem, outros fitavam-na com olhar desconfiado.

Ao seu lado seguia a candidata à Junta de Freguesia do Lumiar, e atrás de si alguns elementos da Juventude Social-Democrata (JSD) gritavam: “Teresa, Teresa, Teresa”, “vai em frente tens aqui a tua gente”, “e salta Teresa, e salta Teresa, olé”.

Nas eleições de 1 de outubro concorrem em Lisboa Assunção Cristas (CDS-PP/MPT/PPM), João Ferreira (CDU), Ricardo Robles (BE), Teresa Leal Coelho (PSD), o atual presidente, Fernando Medina (PS), Inês Sousa Real (PAN), Joana Amaral Dias (Nós, Cidadãos!), Carlos Teixeira (PDR/JPP), António Arruda (PURP), José Pinto-Coelho (PNR), Amândio Madaleno (PTP) e Luís Júdice (PCTP-MRPP).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Teresa Leal Coelho defende que obras em Lisboa devem garantir mais estacionamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião