Teresa Leal Coelho defende que obras em Lisboa devem garantir mais estacionamento

  • Lusa
  • 21 Setembro 2017

Teresa Leal Coelho diz que “é preciso é que as obras garantam aquilo que os cidadãos precisam”. Os "cidadãos precisam de estacionamento em Lisboa".

A candidata do PSD à presidência da Câmara de Lisboa, Teresa Leal Coelho, defendeu que as obras na cidade devem garantir “aquilo que os cidadãos precisam”, que na sua opinião passa por mais estacionamento.

Numa ação de campanha que decorreu na freguesia do Lumiar, Teresa Leal Coelho disse aos jornalistas que “é preciso é que as obras garantam aquilo que os cidadãos precisam”.

“E os cidadãos precisam de estacionamento em Lisboa. E aquilo que tem acontecido com estas obras é retirar estacionamento em Lisboa. E por outro lado há obras que são feitas em simultâneo e o facto de serem feitas em simultâneo também prejudica o quotidiano das pessoas”, apontou.

Na sua opinião, muitas destas intervenções justificam-se com as eleições autárquicas. “Não tenho dúvida nenhuma sobre isso, porque foram lançadas há pouco tempo muitas delas”, acrescentou.

"E os cidadãos precisam de estacionamento em Lisboa. E aquilo que tem acontecido com estas obras é retirar estacionamento em Lisboa. E por outro lado há obras que são feitas em simultâneo e o facto de serem feitas em simultâneo também prejudica o quotidiano das pessoas.”

Teresa Leal Coelho

Candidata do PSD à Câmara de Lisboa

Falando aos jornalistas perto da sede da Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL), a candidata social-democrata considerou que a freguesia do Lumiar “sofre também com o estacionamento”.

“A EMEL não está ainda nesta zona, mas vai vir e as pessoas já sentem enorme dificuldade em estacionar o carro quando vêm”, elencou.

Teresa Leal Coelho afirmou também que os lisboetas e residentes na capital “têm toda a razão por estarem cansados, por estarem fartos de tanto trânsito, de tanta dificuldade para estacionar o carro em Lisboa”.

Por isso, apontou, “é preciso não retirar lugares de estacionamento” nem “é preciso fazer guerra ao carro”.

“Nós achamos que as pessoas devem circular na cidade de Lisboa como bem entenderem, de automóvel ou de transportes públicos”, referiu.

Assim, acrescentou, é preciso que a cidade esteja dotada de “parques dissuasores à entrada da cidade”, “transportes públicos de qualidade e estacionamento”, seja em silos, estacionamento subterrâneo, ou à superfície.

A candidata percorreu a Alameda das Linhas de Torres, onde cumprimentou alguns transeuntes de várias idades. Apesar de alguns já a conhecerem, outros fitavam-na com olhar desconfiado.

Ao seu lado seguia a candidata à Junta de Freguesia do Lumiar, e atrás de si alguns elementos da Juventude Social-Democrata (JSD) gritavam: “Teresa, Teresa, Teresa”, “vai em frente tens aqui a tua gente”, “e salta Teresa, e salta Teresa, olé”.

Nas eleições de 1 de outubro concorrem em Lisboa Assunção Cristas (CDS-PP/MPT/PPM), João Ferreira (CDU), Ricardo Robles (BE), Teresa Leal Coelho (PSD), o atual presidente, Fernando Medina (PS), Inês Sousa Real (PAN), Joana Amaral Dias (Nós, Cidadãos!), Carlos Teixeira (PDR/JPP), António Arruda (PURP), José Pinto-Coelho (PNR), Amândio Madaleno (PTP) e Luís Júdice (PCTP-MRPP).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Teresa Leal Coelho defende que obras em Lisboa devem garantir mais estacionamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião