Ministério Público ainda não autorizou venda da Comporta

  • ECO
  • 21 Setembro 2017

O empresário Pedro Almeida ficou com 59% do fundo de investimento que gere os projetos turísticos e imobiliários da Comporta, mas a operação ainda está dependente de várias autorizações.

A venda da Herdade da Comporta ao empresário Pedro Almeida ainda está dependente da autorização do Ministério Público. Ao Jornal de Negócios (acesso pago), fonte da Procuradoria-Geral da República diz que “o Ministério Público ainda não se pronunciou sobre a autorização” desta venda.

Pedro Almeida fechou a compra do Herdade da Comporta — Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado (FEIFF), o fundo de investimento que gere os projetos turísticos e imobiliários daquela zona, em julho, ficando com 59,09% do fundo. O empresário pretende comprar também as posições detidas pelo Novo Banco (15%) e pelos investidores minoritários (26%). E vai ainda apresentar uma proposta para comprar também a parte agrícola da Comporta. O objetivo é transformar a herdade num resort “exclusivo e altamente atrativo para o mercado internacional”.

Contudo, a operação está ainda dependente da aprovação por parte das autoridades de Portugal e da Suíça. Isto porque a Herdade da Comporta é um dos ativos que foram alvo de arresto para ressarcir lesados do Grupo Espírito Santo (GES). As autoridades do Luxemburgo (que estão a tratar do processo de insolvência da Rioforte, a holding do GES que detinha a Comporta já deram luz verde à operação.

Falta ainda a aprovação da Caixa Geral de Depósitos (CGD), junto de quem o FEIIF tem uma dívida de 110,5 milhões de euros, que está em incumprimento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministério Público ainda não autorizou venda da Comporta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião